Já foi a reconstrução mas agora são as novas casas a disparar em Lisboa

Construção nova e grandes empreendimentos voltam a dominar pedidos de licenciamento de novos fogos na cidade de Lisboa. No primeiro semestre deste ano entraram mais de 2200 pedidos. No Lumiar há 470 novos fogos.

Foto
Rui Gaudencio

As obras de construção nova e os grandes empreendimentos residenciais voltaram a ser a tendência dominante nos pedidos de licenciamento para novos fogos habitacionais na câmara de Lisboa. Depois de nos últimos tempos terem sido as obras de reabilitação a dominarem esses pedidos – muitos para reabilitar velhos edifícios para hotéis e alojamento local – no primeiro semestre de 2019 essa tendência alterou-se, e a construção nova passa a significar 60% dos pedidos. Estes dados foram divulgados pela Confidencial Imobiliário, uma empresa de recolha e análise estatística do sector, que apurou que no primeiro semestre deste ano foram submetidos a licenciamento 2.241 novos fogos em Lisboa num total de 240 projectos residenciais.

De acordo com a empresa, do total dos fogos em carteira em Lisboa no semestre, 59% são gerados em obra de construção nova (1.333 fogos) quando nos dois últimos anos a construção nova foi responsável por 42% dos fogos em carteira (em termos anuais). No primeiro semestre de 2019 contabilizam-se 908 fogos resultantes de reabilitação à espera de licenciamento.

Estes dados do Pipeline Imobiliário são apurados com base nos pré-certificados energéticos emitidos pela ADENE e que devem obrigatoriamente integrar os processos de licenciamento municipal de obras (com excepção de reabilitações de menor profundidade ou de obras em edifícios classificados). “Esta fonte cobre, portanto, a totalidade do universo de novas obras em lançamento de promoção nova e reabilitação”, garante a empresa, que acrescenta que, com o volume contabilizado no primeiro semestre de 2019, o pipeline dos últimos dois anos e meio (de Janeiro de 2017 a Junho de 2019) se eleva na cidade de Lisboa para 9.758 fogos, num total de 1.116 projetos. “Tal carteira concentra 10% dos fogos projectados a nível nacional nesse período acumulado”, refere a empresa, em comunicado, contabilizando a entrada de 93.129 novos pedidos em todo o país nos últimos dois anos e meio.

PÚBLICO -
Aumentar

Centrando a análise no município de Lisboa, e fechando o foco freguesia a freguesia percebe-se melhor porque há esta inversão. Na freguesia de Santo António, por exemplo, a pressão de nova construção e reabilitação diminuiu expressivamente: em 2017 houve 497 pedidos de licenciamento, e em 2018 esse número aumentou para 600. No primeiro semestre deste ano, o número de pedidos foi de 118. A freguesia do Lumiar é aquela em que o número de pedidos de fogos mais disparou: durante todo o ano de 2017 entraram 75 pedidos, e em 2019 entraram 42; nos primeiros seis meses deste ano já há 470 novos pedidos contabilizados. E curiosamente nenhum deles é de grande dimensão. 

Os edifícios residenciais de maior dimensão (com mais de 100 fogos cada) surgem em Campolide (195 unidades) e no Parque das Nações (115 fogos). A soma dos pedidos de licenciamento para a freguesia de Campolide em 2017 e 2018 atinge os  278 fogos; no primeiro semestre deste ano, o numero de licenciamentos pedidos já vai em 232. No parque das Nações, esta diferença é ainda mais visível, uma vez que nos anos de 2017 e 2018 só deram entrada pedidos para quatro fogos. A freguesia do Lumiar é, no entanto, aquela em que o número de pedidos de fogos disparou: durante todo o ano de 2017 entraram 75 pedidos, e em 2018 entraram 42; nos primeiros seis meses deste ano já há 470 novos pedidos contabilizados.

É nesta freguesia lisboeta que está lentamente a nascer uma urbanização de grandes dimensões, a Alta de Lisboa, com plano aprovado pelos órgãos autárquicos há mais de 20 anos. O loteamento tem mais de 300 hectares e situa-se ao lado do aeroporto. Há ainda pelo menos 12 malhas para urbanizar, algumas já com projectos arquitectónicos, pelo que é expectável que esta zona venha a desenvolver-se ainda mais nos próximos anos. Recentemente, a câmara de Lisboa aprovou a versão definitiva da Operação de Reabilitação Urbana das Calvanas, que vai permitir a criação de uma extensa avenida entre o Campo Grande e a Alta, trazendo aquela área ainda mais para o centro da cidade.

A pedido do PÚBLICO, a Confidencial Imobiliário revelou também a que tipologias correspondem estes pedidos de licenciamento, para perceber se estas construções se destinam sobretudo à população turística que procura T1 ou tipologias inferiores, ou se esta nova oferta se destina a procuras mais familiares, a partir do T2. E uma das conclusões que foi possível retirar é que o numero de pedidos para novos T3 já superou nos primeiros seis meses deste ano todos os pedidos que deram entrada em todo o ano de 2017. De acordo com a empresa de estatística, no ano de 2017 foram pedidos licenciamentos para 554 novos T3; em 2018 esse número subiu para os 779. De Janeiro a Junho deste ano já foram pedidos licenciamentos para 554 habitações da tipologia T3.  No caso dos T4 e tipologias superiores, também parecer ir-se assistir a um aumento de oferta: durante todo o ano de 2017 foram pedidos 304 fogos, em 2018 foram pedidos 362. Este ano já deram entrada 215 pedidos. Com João Pedro Pincha