Menos de um terço dos universitários termina o curso em três anos

Relatório da OCDE alerta para problema de sucesso escolar no ensino superior. Portugal investe menos do que a média no sector.

Universidade da Beira Interior
Foto
Paulo Pimenta

Portugal tem aumentado o número de jovens no ensino superior e a prova é que tem actualmente mais estudantes de 19 e 20 anos inscritos do que a média dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE). Mas o sucesso académico destes alunos é um problema, de acordo com o relatório Education at a Glance, que é publicado esta terça-feira: menos de um terço consegue terminar o curso no tempo previsto.

Nos países da OCDE, 39% dos estudantes do ensino superior conseguem terminar uma licenciatura em três anos. Em Portugal, esse indicador fica muito abaixo da média: somente 30% consegue completar o curso na duração prevista. “A conclusão do ensino superior continua a ser um desafio”, sublinha aquele organismo internacional, na ficha de avaliação específica do país, que acompanha o relatório.

A taxa de conclusão do ensino superior aumenta se for medida ao fim de seis anos, em vez dos três previstos: 65% dos inscritos termina o curso nessa altura. Um número que, ainda assim, continua abaixo da média da OCDE (67%).

O relatório sublinha, porém, a evolução positiva que o país tem tido em atrair mais estudantes para o sector. O número de adultos (25 a 64 anos) que atingiriam este nível de ensino está abaixo da média (25% em Portugal; 40% na OCDE), mas representa “uma melhora considerável nas últimas décadas”. Se forem considerados apenas os portugueses entre os 25 e os 34 anos, 35% chegaram a uma universidade ou politécnico.

Os números melhoram ainda mais entre os jovens que estão neste momento em idade de frequentar uma licenciatura. Em Portugal, 41% das pessoas entre os 19 e os 20 anos está matriculada no ensino superior, acima da média da OCDE, que é de 37%.

Education at a Glance sublinha também que Portugal continua a investir menos no sector do que a média dos países parceiros. O país gasta cerca de 11 mil dólares (cerca de 9960 euros) anuais por cada estudante. Na OCDE, o gasto é de 15.600 dólares (cerca de 14.100 euros) anuais por estudante.

“Esta grande lacuna nos gastos no nível superior contrasta com os restantes níveis de educação, onde os gastos por estudante estão alinhados com a média da OCDE”, sublinha o relatório publicado esta terça-feira.