Comerciantes “históricos” do Bolhão terão prioridade no novo mercado

Novo regulamento garante aos comerciantes mais antigos os mesmos direitos. Prazo previsto para término da empreitada mantém-se em Maio de 2020 - mas Rui Moreira não se compromete com o seu cumprimento.

Antigo mercado encerrou para obras no final de Abril de 2018
Foto
Antigo mercado encerrou para obras no final de Abril de 2018 PAULO PIMENTA

A distinção entre novos e velhos comerciantes está garantida no novo regulamento do Mercado do Bolhão e assegura a “situação de privilégio” que a Câmara do Porto já tinha dito querer oferecer-lhes. Como “sobreviventes” à espera da obra de requalificação do mercado “há 30 anos”, disse Rui Moreira, tinham de estar na lista de prioridades.

O “regime de excepção” permite a esses comerciantes “manter os direitos adquiridos historicamente e a continuidade no Mercado do Bolhão”, prevê o regulamento, aprovado por unanimidade esta segunda-feira, em reunião camarária. O documento estará agora disponível para consulta pública e terá ainda de passar pela Assembleia Municipal.

O mercado, que irá funcionar entre as oito da manhã e a meia-noite, encerrou em Abril de 2018 e entrou em obras em Maio desse ano. Questionado sobre os prazos de execução da obra, Rui Moreira disse que a data prevista de término continua a ser “Maio de 2020”, recusando, no entanto, comprometer-se com ela por não controlar “vicissitudes das obras.”

A construção do Túnel do Bolhão, que arrancou em Agosto, tem data de execução prevista de um ano e será peça importante para o funcionamento do mercado portuense, actualmente a funcionar no piso subterrâneo do centro comercial La Vie.