Sporting reduz prejuízos mas continua nos 7,9 milhões negativos

“Leões” apresentaram nesta segunda-feira os resultados financeiros da época 2018-19. Capitais próprios negativos agravaram-se em 10 milhões de euros.

Foto
LUSA/MARIO CRUZ

A Sporting SAD apresentou o relatório e contas relativo à época 2018-19, que traduz um prejuízo de 7,877 milhões de euros ao longo do exercício. Ainda assim, os “leões” melhoraram a performance do período homólogo, altura em que tinham registado 19,9 milhões de euros negativos.

Para justificarem este resultado, os administradores destacam a ausência da Liga dos Campeões (e das receitas chorudas daí decorrentes) e as imparidades de jogadores no montante de 8,577 milhões de euros. “O volume de negócios incluindo transacções de jogadore, aumentou cerca de 25.521 milhares de euros, explicado essencialmente pelo aumento do rendimento com transacções de jogadores em 41.425 milhares de euros que compensou a redução das receitas correntes em 15.904 milhares de euros, anteriormente explicado pela redução dos prémios das competições UEFA”, explicam. 

As saídas de alguns jogadores e treinadores durante o mesmo período originou uma redução da rubrica Gastos com Pessoal, em 4,963 milhões de euros, enquanto “o resultado operacional de transacções de atletas atingiu o valor de 33.134 milhares de euros, o que significa vendas de direitos desportivos de mais de 75 milhões de euros”, adianta a Sporting SAD num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Para este volume de vendas, contribuíram a venda de Piccini e os acordos com o Betis, o Wolverhampton e o Atlético Madrid no que toca às contratações de William, Rui Patrício e Gelson Martins.

Globalmente, o activo total aumentou em 31,975 milhões de euros (é agora de 301,2 milhões), o passivo subiu mais ainda, 42,256 milhões (está nos 324,8 milhões) e os capitais próprios também se agravaram: passaram de 13,3 milhões negativos para 23,6 milhões.