Eurico Carrapatoso estreia nova peça em concerto da World Doctors Orchestra

Ars e Thesis, obra para clarinete e orquestra, vai ter a primeira audição na Gulbenkian, em Lisboa, a 20 de Setembro, e na Casa da Música, no Porto, no dia a seguir. Dois concertos solidários, para ajudar Moçambique.

Eurico Carrapatoso
Foto
Eurico Carrapatoso JOão Tuna

O compositor português Eurico Carrapatoso vai estrear Ars e Thesis, obra para clarinete e orquestra, com a World Doctors Orchestra, na segunda quinzena de Setembro, em concertos solidários na Gulbenkian, em Lisboa, e na Casa da Música, no Porto. A estreia mundial da peça terá o alemão Stefan Willich, fundador da World Doctors Orchestra, como maestro, e o português Bruno Graça, como solista no clarinete.

As actuações, que incluem também obras de Mozart e Bruckner, estão marcadas para 20 de Setembro, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e para o dia seguinte, na Casa da Música, no Porto. De Mozart, será tocada a abertura da ópera Don Giovanni, seguindo-se a nova obra de Carrapatoso, antes de o programa encerrar com a Quarta sinfonia de Anton Bruckner, uma das mais conhecidas do compositor austríaco.

As receitas dos concertos vão reverter para a associação Health4Moz, que trabalha em Moçambique, “com o objectivo de reconstruir o Hospital Central da Beira”, depois da passagem do ciclone Idai, e para os Médicos do Mundo, segundo as instituições envolvidas e como se pode ler no site da World Doctors Orchestra.

A orquestra estreia-se em Portugal por iniciativa de um dos membros do agrupamento, Bernardo Duque Neves, que ingressou nesta formação em 2014, passando agora pela Gulbenkian e pela Casa da Música. Criada em 2008, envolve cerca de uma centena de médicos de todo o mundo, que, duas a três vezes por ano, trocam as suas batas brancas e os seus estetoscópios pelas casacas negras e os seus instrumentos para um concerto beneficente.

Stefan Willich, fundador e maestro da World Doctors Orchestra, é professor de Medicina do Charité University Medical Center, em Berlim, tendo dirigido também o Conservatório de Música Hanns Eisler, da capital alemã.

Eurico Carrapatoso nasceu em Mirandela, em 1962, fez o curso de História da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, que terminou em 1985, antes de se dedicar à composição, tendo estudado com José Luís Borges Coelho, Cândido Lima, Constança Capdeville e Jorge Peixinho, até 1993. Na carreira, já recebeu o Prémio Lopes-Graça (1998-1999), mas também três prémios de composição da organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Trabalhou com orquestras em Portugal, no Brasil e outros países.

Magnificat em Talha Dourada, Pequeno Poemário de Sophia, sobre Sophia de Mello Breyner Andresen, Três Mulheres com Máscara de Ferro, com libreto de Agustina Bessa-Luís, Cinco Melodias em Forma de Montemel e Te Deum em louvor da Paz são algumas das composições de Eurico Carrapatoso.

Entre as estreias mais recentes do compositor conta-se igualmente Linhagem, sobre Fernando Pessoa, Camilo Pessanha e António Machado, obra estreada em Junho, para os 500 anos da viagem de circum-navegação, e a edição discográfica de Canções sem Palavras, música para violoncelo e piano, interpretada, respectivamente, por Samuel Santos e Eduardo Jordão.