Programa de Arrendamento Acessível é insuficiente para as famílias de Lisboa, Porto e Algarve

Programa do Governo destina-se a famílias de classe média que não conseguem resolver o seu problema de habitação no mercado. Dois meses depois, continua quase sem expressão, mas nem para paliativo serve nas regiões no país onde há mais dificuldades.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Andreia Mendes vivia há dez anos num T2 na Rua Fernão de Magalhães, na freguesia do Bonfim, no Porto, num rés-do-chão com logradouro e anexo. O apartamento tinha áreas generosas, que acomodavam com tranquilidade os dois filhos, rapazes de dez e de cinco anos. Por esta altura, anda ocupada a colocar a vida em caixas, e prepara-se para mudar para Azevedo, um lugar de Campanhã, a freguesia mais Oriental do Porto, quase em Gondomar. Perdeu o sossego em Janeiro quando soube que o seu contrato de arrendamento não iria ser renovado.