Protecção Civil enviou mais de quatro milhões de SMS de alerta à população

Risco máximo de incêndio justificou medida. Serviço de SMS em massa tinha sido contratado em Julho, mas ainda não tinha sido utilizado.

Foto
13 distritos em alerta vermelho da Protecção Civil até Domingo à noite Paulo Pimenta

O alerta vermelho para 13 distritos do país motivou o envio de SMS para a população, uma medida prevista na nova legislação sobre avisos de catástrofes, mas ainda não utilizada este ano. Isto porque a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) considera que estas mensagens só devem ser enviadas quando for declarado o alerta vermelho, o que só aconteceu esta semana.

Na manhã desta quarta-feira foram já várias as pessoas que receberam a mensagem sucinta: “Risco extremo de incêndio rural. Fique atento. Evite o uso do fogo. Em caso de dúvida: 800246246 ou www.prociv.pt / ANEPC”. De acordo com o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, “até às 10h tinham sido recebidas mais de quatro milhões de SMS”.

O envio destas SMS foi decidido na segunda-feira pela ANEPC, depois de ter sido decretado o estado de alerta máximo, o vermelho, para os próximos dias em 13 distritos do centro e norte do país. O estado de alerta começou esta quarta-feira à meia-noite e termina à meia-noite de domingo. Os 13 distritos abrangidos pelo alerta vermelho são Aveiro, Braga, Bragança, Castelo Branco, Santarém, Coimbra, Guarda, Portalegre, Porto, Vila Real, Viana do Castelo, Viseu e Leiria. 

A declaração deste alerta implicou a adopção de medidas excepcionais, como o aumento do grau de prontidão da GNR e da PSP, que permite a interrupção de férias e a suspensão de folgas; a proibição total da utilização de fogo-de-artifício mesmo que tenha sido previamente autorizada; a dispensa de trabalhadores que sejam bombeiros voluntários e a proibição de acesso e circulação em determinados espaços florestais. Já esta quarta-feira foi feito um aditamento ao despacho que decretou o alerta e que aumenta o grau de prontidão das equipas de emergência médica e das equipas de resposta das operadoras de telecomunicações (redes fixas e móveis) e das empresas de energia (transporte e distribuição). 

PÚBLICO -
Foto
Mensagem recebida esta terça-feira

“A declaração da presente situação de alerta obriga todos os cidadãos e demais entidades privadas, na área abrangida, a prestar às autoridades de protecção civil a colaboração pessoal que lhes for requerida, respeitando as ordens e orientações que lhes forem dirigidas e correspondendo às respectivas solicitações”, nota o ministério da Administração Interna em comunicado. E acrescenta: “A recusa do cumprimento destas obrigações corresponde ao crime de desobediência”. 

Esta quarta-feira ao final da tarde, a GNR precisava, numa nota, que durante o alerta vermelho reforçara a vigilância e o patrulhamento terrestre em todo o continente, com uma média diária de mais 520 militares. Estes acrescem aos cerca de 670 militares já previstos, por dia, no âmbito da defesa da floresta contra incêndios, “o que perfaz o empenhamento total diário aproximado de 1200 militares”, remata a GNR.

Até final do mês, o dispositivo de combate aos incêndios florestais encontra-se com o maior número de meios disponíveis do ano: 60 aeronaves, perto de 11.500 operacionais e quase 2500 veículos. 

O comandante nacional da Protecção Civil, Duarte Costa pediu a todos os portugueses que adoptem as medidas de prevenção em vigor, alertando que é proibido fazer queimadas, utilizar fogareiros, fumar ou fazer lume na floresta, entre outros comportamentos de risco, numa conferência de imprensa na segunda-feira a alertar para o que está em causa.

É a primeira vez este ano que a ANEPC está a usar o sistema de envio de SMS, após ter contratado com as três operadoras, já o Verão tinha começado. Tal como o PÚBLICO noticiou, os contratos no valor total de 735 mil euros, só foram assinados a 15 de Julho e só foram usados mês e meio depois. 

PÚBLICO -
Foto
Mensagem recebida num telemóvel com número fixo

Na altura, o PÚBLICO questionou o ANEPC  sobre qual a razão para ainda não ter usado este instrumento, uma vez que já tinham acontecido situações de incêndios graves que se enquadrariam no que define a legislação para envio de avisos por SMS. A ANEPC respondeu que a interpretação da lei que estavam a seguir era que “o envio de avisos preventivos por SMS da ANEPC destina-se a informar as populações quando é declarado o Estado de Alerta Especial de Nível Vermelho”.

Ora as regras não limitam esse uso a essas situações. As novas regras para o envio de alertas (internos) e avisos (externos) à ANEPC resultaram da criação do Sistema Nacional de Monitorização e Comunicação de Risco, de Alerta Especial e de Aviso à População, que foi criado para regular e facilitar o envio de avisos em todo o tipo de catástrofes. E por isso a lei prevê dois tipos: o “aviso preventivo”, para quando há o agravamento do risco de incêndio, que se enquadraria na leitura da ANEPC de apenas enviar em “alerta vermelho”, apesar de tal condição não ser colocada pela lei; e o “aviso de acção”, para situações específicas e que se destinam “a induzir a população a adoptar medidas de autoprotecção concretas, em caso de ocorrência de um acidente grave ou catástrofe num período temporal específico, numa determinada área geográfica”. A lei também não diz que mesmo estes segundos só podem ser enviados em caso de “alerta vermelho”.

O PÚBLICO tem recolhido desde o início da manhã várias mensagens que foram sendo enviadas. Para já, chegaram mensagens no distrito do Porto, Braga e Viseu a maioria a partir das 8h, algumas só estão a chegar depois das 10h. Contudo, há um caso em que a SMS recebida (num número fixo), chegou pelas 7h34 da manhã. Além do envio de SMS, foi accionado um call center que, disso o ministro, já “recebeu 600 pedidos de esclarecimento”. Com Mariana Oliveira