Gastão Cruz vence prémio de poesia António Ramos Rosa com Existência

O júri composto por Helena Vasconcelos, Fernando Pinto do Amaral e João Minhoto Marques foi unânime.

Gastão Cruz
Foto
MIGUEL MANSO

O poeta Gastão Cruz venceu por unanimidade a sétima edição do Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa, com o livro Existência, publicado em 2017 pela Assírio & Alvim.

O júri composto pela crítica literária Helena Vasconcelos, pelo poeta e professor universitário Fernando Pinto do Amaral e pelo professor universitário da Universidade do Algarve João Minhoto Marques foi unânime na atribuição do prémio de cinco mil euros ao poeta nascido em Faro em 1941. Em Julho, Existência fora já distinguido com o Grande Prémio de Poesia Maria Amália Vaz de Carvalho, atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores.

A Câmara de Faro, promotora do prémio, explicou em comunicado que a “escolha de Existência acabou por se impor”, entre “um elevado número” de títulos a concurso, porque o júri reconheceu a “excelência de uma obra perfeitamente trabalhada” que reflecte “uma profunda meditação sobre o drama existencial, sobre a vivência poética” e sobre “o caminho percorrido”, mas também uma dedicação ao “estudo e [ao] questionamento permanente do ‘ser poético'”.

Existência é uma obra ímpar, no entender do júri, “não apenas pelo facto de revelar uma profunda sabedoria, como também por, inequivocamente, partilhar de modo intencional esse conhecimento”. “Trata-se, com efeito, de um livro no qual convergem a experiência da vida e a vivência do tempo de um eu que se dá a conhecer nas suas convicções, mas também nas suas dúvidas, procurando conciliar a voz pessoal com a consciência do destino humano”, justificou a autarquia.

O município de Faro também destacou a “notável qualidade poética” do trabalho de Gastão Cruz, que obedece à “melhor tradição moderna da poesia europeia”, no qual “o pensamento sobre a poesia” e a “dimensão auto-referencial” são temas sempre presentes.

Gastão Cruz segue-se assim a Fernando Echevarría, Fernando Guimarães, Nuno Júdice, João Rui de Sousa, Luís Quintais e João Luís Barreto Guimarães, vencedores das anteriores seis edições do prémio António Ramos Rosa.

“Também ensaísta, crítico literário e tradutor, além de professor e encenador, Gastão Cruz, nascido em Faro em 1941, é autor de um dos mais relevantes trajectos da poesia portuguesa contemporânea, marcado por um esforço de renovação e autonomização da linguagem poética, que também passa pela reinvenção de algumas formas clássicas, e por um particular cuidado na construção formal dos poemas e na sua articulação dentro de cada livro”, enalteceu ainda o município.

A mesma fonte anunciou ainda que a Biblioteca Municipal de Faro António Ramos Rosa vai acolher, a 19 de Outubro, pelas 16h, a cerimónia de entrega do prémio.

O prémio António Ramos Rosa distingue o patrono da biblioteca municipal de Faro e é atribuído bianualmente desde 2015, depois de um primeiro período de duas edições, entre 1999 e 2001, depois retomado, para mais duas edições, em 2007 e 2009.