Élton Medeiros, o último adeus de um grande sambista

Morreu Élton Medeiros, um dos grandes sambistas do Brasil, parceiro de nomes como Paulinho da Viola, Cartola, Nelson Cavaquinho ou Nelson Sargento. Tinha 89 anos.

,Música
Foto
Élton Medeiros SILVANA MARQUES

Cantor, compositor, produtor e também radialista, Élton Medeiros morreu esta terça-feira, na sequência de uma pneumonia, noticiaram vários órgãos de comunicação brasileiros. Há cerca de um mês tinha sido internado num hospital de Copacabana, mas teve alta e regressou a casa. Segunda-feira sentiu-se mal e levaram-no de urgência para a Casa de Saúde Pinheiro Machado, na Zona Sul do Rio de Janeiro, onde viria a morrer, na noite de terça-feira. Tinha 89 anos e o seu funeral realiza-se esta quarta-feira à tarde, no Rio.

Nascido Élton Antônio Medeiros em 22 de Julho de 1930, no Rio de Janeiro, no bairro da Glória, Élton foi considerado um dos grandes melodistas e ritmistas da história do samba. Segundo a sua biografia, iniciou-se aos 17 anos na Orquestra Juvenil de Estudantes, como músico, tocando à noite (trombone) na gafieira Fogão, do compositor Uriel Azevedo.

A sua carreira de compositor começou mais tarde, como fundador da ala de compositores da escola de samba Aprendizes de Lucas, sendo o seu samba Exaltação a São Paulo (de 1954) sido considerado um dos melhores da história da escola. Aliás, foi este samba que lhe deu notoriedade, ao ser tocado na Rádio Nacional, com arranjos do maestro Radamés Gnattali para violino e caixas-de-fósforo e interpretação do cantor carioca Jorge Goulart.

PÚBLICO -
Foto
Dois LP de Élton Medeiros: com Paulinho da Viola (1968) e a solo (1980)

De Zé Kéti a Cartola

Nos anos 1940, Élton conheceu Zé Kéti, que viria a ser seu parceiro em vários sambas. Mas foi ao frequentar o Zicartola, restaurante do sambista Cartola e da sua mulher Zica, que a partir da sua fundação, em 1963, foi ponto de encontro regular de sambistas, que Élton compôs as suas principais obras, selando parcerias com Cartola, Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho, Ismael Silva ou Nelson Sargento. Foi desse encontro que nasceram o grupo A Voz do Morro (com Zé Kéti, Paulinho da Viola, Élton Medeiros, Nelson Sargento, Jair do Cavaquinho ou Oscar Bigode) e o espectáculo A Rosa de Ouro, de Hermínio Bello de Carvalho e Kléber Santos, que deu origem a dois discos (1965-67).

Nos anos 1960 Élton participou ainda noutros grupos, como Os Cinco Crioulos, com Jair do Cavaquinho, Nescarzinho, Mauro Duarte e Nelson Sargento ou os Quatro Grandes do Samba, este com Candeia, Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito.

Entre os principais sambas compostos por Élton Medeiros estão Peito Vazio (1976), Onde a dor não tem razão (com Paulinho da Viola), Mascarada (com Zé Keti), Pressentimento (com Hermínio Bello de Carvalho) ou O Sol Nascerá (1962, em parceria com Cartola). Este último foi interpretado por Nara Leão no célebre espectáculo Opinião, no Rio, em 1964. Bem mais tarde, tornou-se tema de abertura da telenovela Bom Sucesso, da TV Globo, gravada por Zeca Pagodinho e Teresa Cristina. Elis Regina, Jair Rodrigues ou Clara Nunes foram alguns dos cantores que interpretaram temas de Élton Medeiros.