Getty Images

No Tinder, o romance pode ter um preço. E não é igual para todos

Ninguém tem de pagar para usar a aplicação. Mas quem o faz tem mais por onde escolher e mais hipóteses de sucesso. Na era da Internet, o amor também chega em pacotes de assinatura mensal.

Durante dois anos, Miguel, 37 anos, pagou cinco euros por mês para ter mais sucesso no Tinder. “Era um preço justo para um gajo não ter de se ralar com alguns limites da aplicação, como o número de gostos ou só poder ter acesso aos perfis das pessoas que vivem perto de nós”, diz ao PÚBLICO. Habituado a viajar entre Lisboa e o Funchal, onde vive, Miguel usava a versão paga da aplicação para encontrar potenciais companheiras em qualquer uma das cidades, mesmo quando estava na outra.