Paulo Pimenta
Foto
Paulo Pimenta

Megafone

O coração do Porto está doente

Nos últimos anos, a cidade do Porto foi alvo de uma crescente afluência de turistas, o que provocou profundas mudanças no paradigma imobiliário da cidade. Os habitantes locais, que dão a cara pela nossa cidade e nos fazem ser conhecidos lá fora como povo sincero e hospitaleiro, encontram-se agora sob ameaça, correndo mesmo o risco de extinção completa.

Faz hoje precisamente seis meses que iniciei o meu internato médico na Unidade de Saúde Familiar (USF) Rainha D. Amélia, que se dedica ao atendimento de utentes provenientes de algumas das freguesias que integram o Centro Histórico do Porto. Ser médica de família na comunidade que habita o coração do Porto significa compreender a força e o ímpeto que conferem alma e ritmo à cidade. É abraçar a autenticidade das línguas afiadas e das vogais abertas. É procurar cuidar de quem toda a vida cuidou e protegeu os seus, fazendo “das tripas coração”, como só os portuenses sabem.

É consensual que os diversos fenómenos de índole económica e social que afectam a cidade têm as suas repercussões ao nível da saúde da população e da organização dos cuidados de saúde primários. E a gentrificação do Centro Histórico do Porto é, indubitavelmente, um dos maiores desafios que a cidade enfrenta nos dias de hoje. A tradicional comunidade que aqui vive representa o verdadeiro espírito “tripeiro”: gente humilde, sacrificada, hospitaleira, aguerrida, esperta e desconfiada.

Uma comunidade que cuida dos seus, que não se assusta facilmente e onde há sempre lugar para mais um. Uma população que resiste às intempéries da vida com força de dragão, onde Jorge Nuno Pinto da Costa tem estatuto equiparado a Deus Pai, com direito a fotografia no altar lá de casa, junto de Nossa Senhora. Gente que não faz planos para se encontrar, simplesmente aparece, com a certeza de que será bem recebida. Gente que, mesmo não sabendo falar inglês, se esforça por ajudar, arranhando a garganta para falar o mais alto possível, na esperança de que o aumento de decibéis ajude o turista a entender as direcções transmitidas em português. Uma comunidade em que o palavrão funciona como uma palavra de carinho, em que os modos podem ser brutos, mas os gestos são sinceros.

Esta mesma comunidade, que dá a cara pela nossa cidade e nos faz ser conhecidos lá fora como povo sincero e hospitaleiro, encontra-se agora sob ameaça, correndo mesmo o risco de extinção completa. Nos últimos anos, a cidade do Porto foi alvo de uma crescente afluência de turistas, o que provocou profundas mudanças no paradigma imobiliário da cidade. Deu-se início a uma procura frenética e desenfreada por casas no Centro Histórico do Porto, com o intuito de destruir ou renovar os edifícios antigos e aí construir hotéis, alojamentos para turistas ou apartamentos com preços exorbitantes.

O que parece ter sido esquecido é que esta remodelação do centro do Porto não afecta apenas os seus edifícios, mas sobretudo quem neles habita. As quantias oferecidas são suficientemente tentadoras para que muitos senhorios se esqueçam das famílias que aí vivem e que pertencem a uma comunidade que se construiu e fortaleceu ao longo de décadas de convívio, entreajuda e autenticidade. Os pequenos negócios tradicionais, muitos deles familiares e passados de geração em geração, dão agora lugar a diversas lojas de souvenirs, praticamente indistinguíveis umas das outras. 

E assim como o próprio Centro Histórico do Porto atravessa uma manifesta crise de identidade, também os seus mais antigos e fiéis moradores se questionam sobre a sua essência, lugar e fado. Para alguém que chamou casa — em sentido lato, não apenas como espaço físico — ao ambiente que habitou e às pessoas com quem partilhou este mesmo cenário durante uma vida inteira, uma mudança desta dimensão implica necessariamente consequências ao nível do seu estado de saúde.

Este fenómeno não é algo que pertença ao domínio do abstracto, mas sim algo palpável, que se verifica e diagnostica em cada consulta. O stress psicológico que se converte em fisiológico e conduz, por fim, ao aparecimento e ao agravamento de doenças. Valores de tensão arterial — há décadas controlados sob medicação — que, de repente, sobem incessantemente pela escala de milímetros de mercúrio. A ansiedade que os acorda de manhã e não os deixa dormir de noite. O sono que já não é o mesmo sem uma benzodiazepina. O isolamento e as saudades das conversas com a vizinha da frente, que todas as manhãs aparecia para uma meia de leite e duas de letra. A inexistência da cooperação de tantos anos: as vizinhas que tomavam conta das crianças enquanto os pais iam trabalhar, que ficavam com a chave para ir cuidar dos idosos acamados, que iam levantar a medicação dos vizinhos mais dependentes ou que simplesmente apareciam para dividir tarefas domésticas e pesares da alma. O choro fácil, a frustração e a depressão. O maço que parece já não chegar, o copo que se esvazia mais rápido.

Esta dolência sentida por quem vê as suas raízes arrancadas e transplantadas para outra zona da cidade apresenta um forte impacto nos Cuidados de Saúde Primários. Não só os doentes sentem mais necessidade de recorrer às consultas, como também enfrentam o problema das longas listas de espera para terem médico de família na sua nova área de residência. Convém ressalvar que esta espera não se deve a uma má vontade por parte dos Centros de Saúde em receber novos utentes, mas sim a uma superlotação extenuante das listas de cada médico de família, algumas delas excedendo os dois mil utentes por médico.

A verdade é que a maioria dos pacientes opta por permanecer inscrito no seu centro de saúde antigo, mantendo os laços com o seu médico de família e com a área geográfica a que outrora chamou casa. No entanto, o modelo organizacional dos cuidados de saúde primários permite que os utentes que mudem de área de residência permaneçam inscritos no centro de saúde onde estavam, com a contrapartida de prescindirem de eventuais cuidados de saúde no domicílio, uma vez que se encontram fora da área de actuação dessa USF.

Termino este artigo lançando um desafio ao leitor: aproveite um destes dias para dar um passeio até à Sé Catedral do Porto e observar as vistas a partir do terreiro da Sé. Repare na vida que habita essa paisagem: a roupa a secar nas varandas, a cumplicidade entre vizinhos às janelas, os mercados de rua improvisados, o sotaque nortenho que ecoa como música de fundo. Esta paisagem e musicalidade estão gradualmente a desaparecer. Estaremos mesmo dispostos a abdicar da nossa saúde e identidade colectiva, só “para inglês ver”?

Enquanto médica, continuarei a acompanhar diariamente as dores desta população em diáspora e desejo vivamente que a estes cuidados de saúde primários a cidade saiba corresponder também, cuidando atempadamente deste coração da urbe que poderá, brevemente, deixar de bater.

Sugerir correcção