Unsplash
Foto
Unsplash

Megafone

Oh não! Não consegui colocação

A Universidade do Povo pode ser uma alternativa válida para quem não conseguiu colocação numa universidade convencional. Não tem propinas e tudo o que é preciso para frequentar o curso é uma boa conexão à Internet.

O desespero de quem não conseguiu média para o que queria, de quem não conseguiu colocação, é visível. Jovens sonham em ter um ensino académico na área que aspiram, mas nem sempre conseguem à primeira. Falemos então no que pode ser feito não só por quem tem um ano até aos próximos exames, mas também por todos os que têm sede de conhecimento, na sua área ou não. Há maneiras de adquirir conhecimento e até mesmo um curso!

Em conversa com uma estudante da Universidade do Povo (UOP - University of the People) fiquei a saber que esta é uma alternativa válida para quem não conseguiu colocação numa universidade convencional. A jovem não conseguiria frequentar cursos de universidades nacionais, presenciais ou online, porque o orçamento não o permitia. Então, Ana Filipa Martins encontrou esta solução. Decerto que o nome da instituição não inspira muita confiança, porém os cursos são acreditados por várias universidades e são reais e valiosos. 

A UOP requer documentos como qualquer outra universidade, especialmente para bolsas, que servem para ajudar a pagar os exames. Mesmo que este apoio seja recusado, pode-se fazer um segundo apelo. As bolsas são limitadas e o acesso à UOP funciona através de donativos — não tem propinas. Pode ser uma alternativa viável para quem não tem dinheiro para as propinas — consegue-se a bolsa desde que tenha notas exemplares — ou não conseguiu colocação. Ajuda, também, quem não tem possibilidades para se deslocar para um estabelecimento de ensino. 

Ana tornou-se embaixatriz deste foco de ensino com o seu blogue porque realmente acredita nele e quis espalhar a palavra. Uma outra embaixatriz é a ginasta olímpica Simone Biles, que criou uma bolsa para estudantes da UOP.

A UOP é creditada nos EUA, mas mesmo não tendo propinas não é completamente grátis. Os exames são pagos: 100 dólares. Em contrapartida, é fornecida ao aluno uma conta Microsoft 365, um email da UOP e outros mecanismos relevantes para a aprendizagem, como ebooks e programas informáticos. Todos os recursos mencionados são open source, ou seja, abertos a todos. A oferta actual passa por majors em Ciências Informáticas, Gestão, Saúde, MBA e agora um mestrado em Educação.

A UOP funciona em inglês, o que pode ser uma mais-valia para futuros empregadores. Tudo o que é preciso para frequentar o curso é uma boa conexão à Internet. Os períodos duram oito semanas de avaliação contínua que culminam em quatro dias de preparação e exame. De modo a que o exame seja válido é necessário que este seja vigiado por alguém idóneo aprovado pela UOP. Terá de existir um diário de aprendizagem que é fornecido ao professor. Há a avaliação por colegas e só depois pelos professores. Havendo sucesso final , a UOP emite o diploma. Pode valer a pena ver a TedTalk do director sobre o seu projecto. Ana Filipa fez campanha nas redes sociais para conseguir ser seleccionada para ir à cerimónia de entrega do diploma em Nova Iorque e conseguiu esse objectivo.

Em alternativa à UOP, tem-se registado a um aumento dos cursos online nos últimos anos, leccionados por professores e instrutores. A plataforma mais conhecida é o Coursera, agora paga, que fornece cursos nas mais variadas áreas, no entanto, existem imensos outros fornecedores de MOOC (Massive Online Open Courses) e mini-cursos que poderão ser uma mais-valia para qualquer profissional. Pode-se aprofundar ou actualizar os conhecimentos numa dada área ou aprender algo novo. São emitidos certificados — também esses pagos — que comprovam a conclusão de cada curso. Embora exista toda uma miríade de fontes deste tipo de cursos, o Coursera continua a ser uma das mais populares por contar com professores de universidades privilegiadas. Ciências Exactas, Humanísticas, Tecnológicas, Literárias — provavelmente tudo o que conseguirias ter numa faculdade encontrarás por lá. O domínio do inglês é uma peça fundamental na maioria dos casos.

Defendo, então, que mesmo quando a nossa vida parece ter encontrado um obstáculo, não há razão para parar. Se não conseguiste colocação, não percas a motivação, procura outras formas de aprender e verás que não será tempo perdido. O teu currículo agradece e a tua educação e o teu crescimento pessoal também!