UE “disponível” para ouvir as novas ideias de Boris Johnson para o “Brexit”

Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, diz que não quer contribuir para uma saída sem acordo. Domingo, à margem da cimeira do G7, reúne-se com o primeiro-ministro britânico.

,44ª cimeira do G7
Foto
Donald Tusk CHRISTIAN HARTMANN/Reuters

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, diz que não quer contribuir para um “Brexit” sem acordo e está disponível para ouvir as novas ideias do primeiro-ministro britânico, que anunciou ter uma alternativa ao polémico backstop, a cláusula no acordo de saída que garante que não haverá fronteiras entre as duas partes da Irlanda

Tusk, que no domingo se encontra com Boris Johnson na cimeira do G7, que decorre na cidade francesa de Biarritz, disse, citado pela Reuters, que quer perceber se as propostas de Johnson são realistas e aceitáveis para todos os Estados-membros. 

“A UE sempre esteve aberta a cooperação. Uma coisa é certa, não vou cooperar com uma saída sem acordo”, disse Tusk numa conferência de imprensa em Biarritz, onde a UE participa como convidada (o G7 é composto por Reino Unido, Estados Unidos, Japão, Canadá, França, Itália e Alemanha).

“Estamos disponíveis para ouvir as ideias e perceber se são operacionais, realistas e aceitáveis por todos. Espero que o primeiro-ministro Johnson não queira passar à História como o ‘Sr. Não Acordo’.” Johnson respondeu depois que é Tusk quem se vai tornar o “Sr. No Deal”.

A reunião de líderes das sete maiores economias do mundo decorre a pouco mais de dois meses da data prevista para o “Brexit”, 31 de Outubro. Boris Johnson comprometeu-se a cumprir a data, com ou sem acordo, e nesta semana reuniu-se em Berlim e Paris com a chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, para pedir mudanças no texto, em concreto sobre a salvaguarda para a fronteira depois da saída que divide os deputados britânicos, que chumbaram três vezes o acordo negociado com Bruxelas pela anterior primeira-ministra Theresa May. O backstop mantém, no pós-“Brexit”, a Irlanda do Norte, território britânico, no mercado único, submetendo-a a regulamentos europeus, actuais e futuros, que o Reino Unido já não negociará.

Johnson disse ter novas propostas e na quarta-feira Merkel mostrou-se aberta a ponderá-las – nesse dia, Tusk garantiu que o acordo está fechado e não é renegociável. O mesmo disse Emmanuel Macron, que porém aceitou a proposta da chanceler de dar 30 dias aos britânicos para avançarem propostas exequíveis. 

Depois de Berlim e Paris, Boris Johnson disse que havia “um novo alento”, mas admitiu que o prazo é “apertado”.

Em Biarritz, Boris Johnson vai continuar a batalhar pela possibilidade de renegociar o backstop, mas vai também começar a promover a relação comercial do Reino Unido com os aliados no pós-“Brexit”. No domingo reúne-se com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. 

“A minha mensagem aos líderes do G7 é que o Reino Unido que eu governo vai ser uma nação que, no plano internacional, vai ser confiante e vai olhar para a frente”, disse o primeiro-ministro britânico num comunicado divulgado por Downing Street. “Vamos ser um parceiro enérgico no palco mundial. E vamos trabalhar com os nossos aliados do G7 para resolver as questões internacionais mais prementes.”