Marcelo “profundamente sensibilizado pela tragédia ambiental” na Amazónia

“O Presidente da República, como qualquer cidadão do Mundo, não pode ficar indiferente a estes incêndios que continuam a devastar um ‘pulmão’ do planeta”, lê-se numa nota no site da Presidência.

Marcelo Rebelo de Sousa
Foto
LUSA/RODRIGO ANTUNES

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, solidarizou-se hoje com o Estado e o povo do Brasil devido aos incêndios de “enormes proporções” na Amazónia, mostrando-se “profundamente sensibilizado pela tragédia ambiental” que representam.

“O Presidente da República, como qualquer cidadão do Mundo, não pode ficar indiferente a estes incêndios que continuam a devastar um ‘pulmão’ do planeta”, refere uma nota publicada na página da Presidência da República.

Marcelo Rebelo de Sousa mostra-se “profundamente sensibilizado pela tragédia ambiental provocada pelos incêndios de enormes proporções que assolam a Amazónia, em particular a Amazónia brasileira, que representam já um número recorde dos últimos anos” e “solidariza-se com o Estado e o povo brasileiros”.

O chefe de Estado português faz “votos para que, com a brevidade possível, seja possível” pôr cobro a estes incêndios.

“O ambiente e a emergência que representam as alterações climáticas têm de ser cada vez mais uma preocupação central e comum da Humanidade”, alerta.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de cinco milhões e meio de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (território pertencente à França).

O número de incêndios no Brasil cresceu 70% este ano, em comparação com período homólogo de 2018, tendo o país registado 66,9 mil focos até ao passado domingo, com a Amazónia a ser o bioma (conjunto de ecossistemas) mais afectado.

Dados do sistema de monitorização por satélite chamado Deter, que é mantido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais brasileiro (Inpe) indicam que em Julho a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em relação ao mesmo mês do ano passado.