“Brexit”: Macron faz de polícia mau depois do polícia bom de Merkel

O Presidente francês não admite renegociar o backstop da Irlanda do acordo de saída do Reino Unido, mas vai esperar os 30 dias dados pela chanceler alemã para ver que proposta traz Boris Johnson para garantir uma saída com acordo.

Emmanuel Macron e Boris Johnson mostraram-se em sintonia na relação bilateral, menos em relação ao "Brexit"
Foto
Emmanuel Macron e Boris Johnson mostraram-se em sintonia na relação bilateral, menos em relação ao "Brexit" CHRISTOPHE PETIT TESSON/EPA

Emmanuel Macron encarregou-se de travar um pouco o possível entusiasmo desatado por Angela Merkel na quarta-feira, ao dar ao Reino Unido 30 dias para trazer uma solução alternativa para substituir o backstop do acordo do “Brexit”. Em Paris, ao lado de Boris Johnson, e no meio de muitos gestos de amizade e respeito mútuo, o Presidente francês disse ao primeiro-ministro britânico que um acordo foi negociado durante dois anos e não é um país sozinho que vai mudar o que foi aprovado em unanimidade pelos 27.

“Há uma opção proposta pelos britânicos, e que nós não aceitamos, que é a de renegociar o acordo de separação”, explicou o chefe de Estado, para quem “o backstop é uma garantia indispensável para manter a estabilidade na Irlanda e a integridade do mercado único”.

Para “proteger e reforçar o projecto europeu” e “construir uma União Europeia mais forte” é preciso ser intransigente em abrir mão de uma salvaguarda tão significativa, enfatizou Macron. “A paz irlandesa é a paz europeia. A crise institucional britânica não deve fragilizá-la”, acrescentou.

O Presidente francês disse estar em sintonia com a chanceler alemã sobre o tema, mas o seu discurso foi mais duro do que tinha sido o da chanceler alemã no dia anterior, quase como se no eixo franco-alemão se tivesse estabelecido lidar com Boris Johnson numa estratégia de polícia bom/polícia mau, cabendo a Macron fazer cara feia.

“Estão sempre a mostrar-me como o mais duro da banda, mas foi feita uma escolha, não serve a ninguém não aplicar essa escolha”, referiu Macron em relação ao acordo negociado por Michel Barnier com o Reino Unido durante dois anos.

O backstop, a salvaguarda no acordo de saída do Reino Unido da UE que garante a manutenção da livre circulação de pessoas e bens entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte depois do “Brexit”, é o ponto de discórdia entre Bruxelas e Londres. O Governo conservador britânico considera que se trata de uma cláusula antidemocrática porque pode manter-se indefinidamente e obriga o Reino Unido a cumprir as obrigações da UE deixando de ter voz nas decisões.

Johnson fez questão de referir, como fizera na quarta-feira, na conferência de imprensa conjunta com Merkel, que não passa pela cabeça do seu Governo impor uma fronteira física na Irlanda. E permitiu-se até sublinhar, apesar da intransigência de Macron (“a renegociação nos termos propostos pelos britânicos não é uma opção válida”): “Quero um acordo e penso que ainda podemos ter um acordo”.

Já no fim da conferência de imprensa conjunta à chegada de Johnson ao Palácio do Eliseu, Macron mostrou alguma abertura para ouvir daqui a 30 dias o que os britânicos têm para propor, mas salientou que não se podia estar à espera até ao último minuto, até ao dia 30 de Outubro, véspera da data de saída, para encontrar uma solução.

“Temos todos de ser capazes em conjunto de encontrar uma solução se houver boa vontade de ambos os lados”, acabou por afirmar o chefe de Estado: “Temos de procurar ter um mês proveitoso”. Salientando, ainda, que “o futuro do Reino Unido não pode estar noutro lado senão na Europa”.

Bela amizade

E com acordo ou sem acordo, França e Reino Unido preparam-se para o seu futuro de relações bilaterais e tanto Macron como Johnson fizeram questão de sublinhar o bom estado da relação entre os dois países, “uma relação privilegiada, histórica, profunda”, como lhe chamou o chefe de Estado francês.

Vamos fazer “avançar esta relação” disse, por seu lado, Boris Johnson, que deu exemplos do que já hoje existe da indústria de cada um dos países a funcionar no outro, como os autocarros franceses usados nos transportes públicos britânicos e o aço de Scunthorpe que serviu para construir os comboios de alta velocidade franceses.

Os dois países que construíram em conjunto o primeiro avião supersónico de passageiros (Concorde) e o túnel sob o Canal da Mancha querem manter uma relação bilateral muito próxima depois de 31 de Outubro e para isso nada melhor que começar o quanto antes: “Vamos aprofundar a relação já ao almoço”, disse Boris Johnson.