Amazónia

Os “pulmões do planeta” estão a arder. Estas ilustrações são um protesto

 

 

Ilustração de Miguel Couto
Fotogaleria
Ilustração de Miguel Couto

A 20 de Agosto, um dia quente em São Paulo transformou-se numa noite fria — que chegou antes do pôr do Sol. Uma frente fria encontrou-se com a fuligem das queimadas provocando um "fenómeno óptico que escureceu o céu", explicou Carlos Nobre, especialista da Amazónia, ao jornal brasileiro Globo. Os ecossistemas da floresta amazónica são os mais afectados pelo aumento do número de fogos no Brasil:  mais de 72 mil focos de incêndio contabilizados até domingo, um aumento de 82% em relação ao ano passado. Apesar do clima estar mais seco do que em 2018, a maior parte dos incêndios é provocada por acção humana, "seja acidental ou propositada", apontam os investigadores citados pela imprensa brasileira. "A culpa não é do clima, ele só cria as condições, mas alguém coloca o fogo”, afirmou Alberto Setzer, ao Estadão.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a desflorestação da Amazónia aumentou 88% em Junho e 278% em Julho, comparando com o mesmo período do ano passado. Em 30 anos, calcula-se que tenha perdido cerca de 20% da sua área florestal original — o equivalente a oito vezes o território de Portugal.  A administração de Jair Bolsonaro descredibilizou estes dados e, esta quarta-feira, atirou mais achas para a fogueira ao acusar — sem mostrar provas — organizações não governamentais de "incendiarem a floresta", depois de o Governo brasileiro lhes cortar o financiamento em 40%.  “A questão das queimadas na Amazónia é que no meu entender pode ter sido potencializada por ONGs porque eles perderam dinheiro. Qual é a intenção? Trazer problemas para o Brasil”, acusou o presidente.

Com o aumento dos incêndios, a hashtag #PrayforAmazonia é uma das tendências no Twitter e as ilustrações de artistas brasileiros (e não só) a criticar a inacção do governo de Bolsonaro, a manifestarem-se pela destruição das terras de povos indígenas e a chorar a perda de biodiversidade da maior floresta tropical do mundo estão a ser partilhadas milhares de vezes no Instagram. Queremos mostrá-las nesta fotogaleria, tal como já fizemos com o incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris, ou com os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Afinal, falamos de um dos maiores "pulmões do planeta", um "armazém de carbono" que também é indispensável para o combate ao aquecimento global e para a regulação do clima na América do Sul.

Para participares com trabalhos teus, envia-nos desenhos e ilustrações em formato .jpg ou .png, com indicação do teu nome no ficheiro, para publicop3@gmail.com, até sexta-feira, 23 de Agosto, ou publica no Instagram e identifica o P3 (@publicoP3)