Árctico

A Gronelândia não está à venda, mas todos são bem-vindos

Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Fotogaleria
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson

O território autónomo da Dinamarca esteve no epicentro de um dos mais recentes episódios a envolver Donald Trump. No final da semana passada, o presidente dos EUA mostrou interesse em comprar a ilha, considerada a maior do mundo, e esta quarta-feira cancelou a visita oficial à Dinamarca, agendada para 2 de Setembro, depois de a primeira-ministra daquele país ter classificado a ideia como "absurda" com um comentário gelado: “a Gronelândia não está à venda. A Gronelândia não é dinamarquesa. A Gronelândia pertence à Gronelândia”. 

Entre polémicas, o certo é que o território, com cerca de 2,1 milhões de quilómetros quadrados e 56 mil habitantes, e que faz parte do reino da Dinamarca tendo governo autónomo desde 2009, voltou à ribalta mundial. Nesta viagem à Gronelândia, o passeio percorre a vida urbana, com foco na pequena cidade de Tasiilaq, maravilhas da natureza, paisagens de tirar o fôlego e, claro, gelo, muito gelo – embora as altas temperaturas estejam, este ano, a fazer com que até o gelo das zonas mais elevadas esteja a derreter.

Doca seca de Tasiilaq
Doca seca de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Fiorde próximo da cidade de Tasiilaq
Fiorde próximo da cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Cidade de Tasiilaq
Cidade de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Icebergue junto a Tasiilaq
Icebergue junto a Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Icebergues tabulares junto ao fiorde Sermilik
Icebergues tabulares junto ao fiorde Sermilik REUTERS/Lucas Jackson
Icebergue já em mar alto, próximo de Tasiilaq
Icebergue já em mar alto, próximo de Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Caçador de focas
Caçador de focas REUTERS/Lucas Jackson
caçador de focas
caçador de focas REUTERS/Lucas Jackson
Amanhecer no glaciar Helheim
Amanhecer no glaciar Helheim REUTERS/Lucas Jackson
Fiorde junto a Tasiilaq
Fiorde junto a Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Icebergue junto a Tasiilaq
Icebergue junto a Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Icebergue junto a Tasiilaq
Icebergue junto a Tasiilaq REUTERS/Lucas Jackson
Os cães que puxam os trenós, perto de Ilulissat
Os cães que puxam os trenós, perto de Ilulissat REUTERS/Bob Strong
Fenda no glaciar Helheim
Fenda no glaciar Helheim REUTERS/Lucas Jackson
Pedaços de gelo no topo do glaciar de Helheim
Pedaços de gelo no topo do glaciar de Helheim REUTERS/Lucas Jackson
Glaciar de Helheim
Glaciar de Helheim REUTERS/Lucas Jackson
Um icebergue flutuante
Um icebergue flutuante REUTERS/Lucas Jackson
Um icebergue fotografado perto de Kulusuk
Um icebergue fotografado perto de Kulusuk REUTERS/Bob Strong
Flores silvestres num monte sobre um fiorde, num dia de Verão perto de Narsaq
Flores silvestres num monte sobre um fiorde, num dia de Verão perto de Narsaq REUTERS/Bob Strong
O icebergue e o seu reflexo em calmas águas oceânicas no fiorde Jakobshavns, perto de Ilulissat
O icebergue e o seu reflexo em calmas águas oceânicas no fiorde Jakobshavns, perto de Ilulissat REUTERS/Bob Strong
Sugerir correcção