Em spray ou ponto cruz, Figueiró dos Vinhos convida a Fazunchar

Há arruada, piquenique, visitas guiadas seguindo as artes. Este é o ano em que Figueiró dos Vinhos se posiciona em força no circuito de arte urbana com o seu próprio festival. De 24 de Agosto e 1 de Setembro, a ordem é para Fazunchar. E, na terra do Casulo de Malhoa, até os idosos grafitam.

Artista
Fotogaleria
Mural de Mohamed L'Ghacham DR
,arte de rua
Fotogaleria
Mural de Mohamed L'Ghacham DR
Oostende
Fotogaleria
Mural de Mohamed L'Ghacham DR
,Pintura
Fotogaleria
Intervenção de Julio Anaya Cabanding DR
,Graffiti
Fotogaleria
Idosos transformam-se em graffiters com o projecto Lata 65 DR
Mural
Fotogaleria
Mural do Halfstudio DR
arte de rua
Fotogaleria
Mural de Aheneah DR
Fotogaleria
Aheneah ensina a fazer arte urbana em ponto cruz DR
Fotogaleria
Intervenção artística de Monk DR
Teatro Nacional de São João
Fotogaleria
Desenho de Nuno Sarmento DR
Fotogaleria
Fotografia de Rute Ferraz DR
Fotogaleria
Still de um vídeo de Vasco Mendes DR
,Nova onda francesa
Fotogaleria
Olhares Lugares, filme de Agnès Varda e JR DR
Música
Fotogaleria
Homem em Catarse DR,DR
,Música
Fotogaleria
Noiserv DR

O município queria ser falado “por algo além dos incêndios, das tragédias ou das desconfianças”. Em conjunto com a Mistaker Maker - Plataforma de Intervenção Artística, fez nascer o Fazunchar, “onde a arte se faz festa”. 

O nome vem de um antigo dialecto local ligado à produção e comércio de têxteis (o laínte). Fazunchar significa “fazer”. E há muito para fazer, de facto, no festival que junta “vários tipos de arte, em diálogo constante entre elas, com a comunidade e o território”. 

A terra em que José Malhoa se fixou, onde produziu grande parte da sua obra e que escolheu para mandar construir a sua casa (o tal Casulo, onde viria a morrer em 1933) recebe agora quatro artistas/coletivos para lhe tratarem dos murais. De Marrocos vem Mohamed L'Ghacham, com as suas cenas realistas da vida diária pintadas em empenas. De Espanha, Julio Anaya Cabanding, que é “convidado a reproduzir peças de José Malhoa, pelas mesmas ruas e recantos que as inspiraram”. Portugal é representado pelo Halfstudio, especialista em lettering, e por Aheneah, projecto de Ana Martins que “borda” paredes em ponto cruz. 

Quem tiver curiosidade sobre esta técnica em particular pode participar num workshop (dia 31, às 10h e 16h, no Museu e Centro de Artes). Outras aprendizagens se farão na oficina da Lata 65, o projecto que tem andado, por Portugal e outros países, a desafiar cidadãos seniores a saírem à rua de spray em riste e mostrarem (aos outros e a si próprios) que a criatividade não tem limite de idade (dias 28 e 29, às 14h30 e 18h30, na Rua Dom Sancho I, 15). A oferta de workshops completa-se com Quantas contas contas?, feita de “muitas histórias, muitos contos, muitos sonhos e encantos, muitos riscos e rabiscos” e dirigida a “solitários e famílias dos seis aos 80 anos” (dia 1, às 15h e 17h, no Parque Vale da Pipa).

A vila será também uma verdadeira vitrina de arte urbana através do comércio local, cortesia das intervenções artísticas de Monk nas suas montras.

Entretanto, estão patentes duas exposições: uma dedicada à Memória Fotográfica de Figueiró dos Vinhos, baseada no espólio recolhido por Margarida Lucas, uma das suas habitantes (e apaixonadas); e outra apostada em Ilustrar Malhoa com trabalhos de seis ilustradores portugueses: Ana Seixas, André da Loba, André Letria, Mariana Rio, Margarida Girão e Tiago Galo. 

O lugar do cinema é o espaço exterior no Museu e Centro de Artes, onde será exibido, dia 29, às 21h30, o filme Olhares Lugares, que regista o encontro entre Agnès Varda, cineasta recentemente desaparecida, na altura com 89 anos, e JR, fotógrafo e street artist, de 34.

Fazunchar traduz-se também em residências artísticas de Nuno Sarmento (desenho), Rute Ferraz (fotografia), Vasco Mendes (vídeo) e Homem em Catarse (músico também conhecido como Afonso Dorido), ele que fez um disco em forma de road tripViagem Interior – pelo coração do país. A essas canções, com títulos como Tua, Portalegre, Vila Real ou Évora, promete juntar outra chamada Figueiró dos Vinhos. O resultado da sua residência é apresentado em concerto, dia 30, às 21h30, no Casulo. A música segue com outro convidado: Noiserv, que toca no dia seguinte, à mesma hora, na Praça da República.

O programa desta primeira edição contempla ainda uma arruada, um piquenique comunitário, conversas com os artistas participantes e visitas guiadas “para todos, para crianças e a locais improváveis”, ao ritmo do novo mapa desenhado pelo festival.