’Tás a Ler?

Há loucos, mendigos e bolas de sabão na praça

Largos, praças, terreiros, átrios fixam-se na memória de todos os que vivem em comunidade. Nem sempre por motivos felizes

Foto
Qualquer praça pode ter sido o cenário dos contos de A. Pedro Correia. Esta localiza-se no Porto (Praça da Liberdade) Adriano Miranda

Lugares de encontro, de disputa, de sedução, de negócio, de prazer, de contemplação, de porcaria de pombos e gaivotas, as praças são microcosmos de uma humanidade que se desumaniza.

É disto que nos fala A. Pedro Correia, em Praças, um conjunto de quatro dezenas (mais um) de contos breves que mereceu o Prémio UCCLA de Revelação Literária: Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa 2018-2019. Em cada praça, um amigo (ou um inimigo).

PÚBLICO -
Foto

O autor faz-nos percorrer várias geografias, sem nunca as identificar — propositadamente. “Para procurar a universalidade do livro”, disse A. Pedro Correia ao PÚBLICO, em Junho, em Cabo Verde, antes da apresentação da obra na Cidade da Praia. E ainda explicou que só não conseguiu “escapar de um oriental, porque é um conto em que aparecem caracteres que são desenhos” (conto O tradutor).

Sensibilidade e lucidez

Loucos, manifestantes, velhos, traficantes, apaixonados, mendigos, prostitutas, pescadores, turistas, vendilhões, cavaleiros, assassinos, crianças, polícias, rouxinóis, DJ, militares e até bolas de sabão podem ser os protagonistas de contos que almejam ser escritos e descritos por um observador atento e sensível, mas também lúcido e crítico.

A. Pedro Correia, artista plástico angolano que vive em Lagos (Algarve), consegue com poucos e claros elementos traçar o perfil das personagens que lhe interessa retratar.

Contenção e clareza ajudam a que o leitor se agarre de imediato a cada conto, ficando às vezes até frustrado pela sua brevidade. Apetecia mais. Casos de A louca (“é uma mulher louca, mas gentil e carinhosa, que fala com um bebé imaginário nos braços”), O assassino (“daí a dois minutos alguém vai morrer, sabe-o o assassino escondido na torre com uma arma”) ou O cartaz (“o homem afasta-se sem decifrar o cartaz e o jovem volta a ficar só, não há quem se lhe dirija”).

PÚBLICO -
Foto
DR

Agrada-nos também que alguém tenha a coragem de escrever num conto (Felicidade) a frase: “Não gosto de viajar.” Uma verdadeira heresia num tempo em que todos dizem ter “muito mundo” porque já “fizeram” as capitais europeias, mais Cuba, Brasil, Tailândia, China e, muito provavelmente, “retiros espirituais” na Índia e “voluntariado” num país africano “lindo, mas muito pobrezinho”. (“Ajudar na Cova da Moura, na Cova do Vapor ou no Bairro do Aleixo não é fotogénico. E a generosidade quer-se instagramável…”)

Desgosto e alegria

Códigos, que nos apresenta “um casal dissonante”, tem um final desconcertante e sem julgamentos, a fazer lembrar Gonçalo M. Tavares. “A mulher levanta-se de imediato, ele paga a despesa, dizem até amanhã em uníssono e saem do café de braço dado, o que a obriga a caminhar ligeiramente inclinada devido à diferença de estaturas.” E pronto.

O texto que encerra o livro, Figuras de estilo, é o único que não tem uma praça por cenário. Tudo começa (e se decide) numa carruagem de comboio que nos reenvia para o final da Primeira Guerra Mundial, 11 de Novembro de 1918.

À data, praças, largos, terreiros e átrios ter-se-ão enchido de festa e de lágrimas. Lugares destinados a acolher o desgosto e a alegria.

Título: Praças
Autor: A. Pedro Correia
Editor: A Bela e o Monstro
74 págs., 9,90€

(O concurso para a 5.ª edição do Prémio UCCLA de Revelação Literária: Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa 2019-2020 já está a aceitar originais. Podem candidatar-se falantes de português a partir dos 18 anos que nunca tenham editado uma obra literária.)

’​Tás a ler? é uma rubrica (quase sempre) sobre livros para adolescentes e jovens adultos. Daremos preferência a autores portugueses. Porque sim.