Fotogaleria
Lusa
Fotogaleria
Lusa
Fotogaleria
Lusa
Reportagem

Há um novo instrumento musical da Beira Baixa. É a “beiroinha”

A curiosidade de um fotojornalista e uma criança estão na origem de um novo instrumento musical da Beira Baixa, o cavaquinho da Beira ou “beiroinha”, que já obteve o registo de marca nacional.

Em Outubro de 2016, a Câmara de Idanha-a-Nova e a Filarmónica Idanhense lançaram um curso de construção de viola beiroa, que se iniciou no dia 1 de Outubro, Dia Mundial da Música, sendo que o objectivo passava por aprender a construir uma viola beiroa e contribuir para a revitalização da história musical daquele concelho, onde este instrumento musical já teve dias melhores. A curiosidade levou o fotojornalista António José a inscrever-se no curso, que durou seis meses, e que foi frequentado por 12 formandos. “Eu não percebia nada nem de viola beiroa nem sequer sabia da sua existência ou tão pouco tinha pegado numa. Fui para lá [Idanha-a-Nova] por curiosidade. A área de trabalhos manuais sempre me fascinou”, confessa António José.

Quando o curso iniciou e os formandos começaram a dar os primeiros passos, fazendo os moldes de base para a construção da viola beiroa, uma criança de três anos, filho do responsável da Filarmónica Idanhense, pegou num dos moldes do instrumento musical e andava pela oficina a brincar, “fazendo de conta” que estava a tocar o instrumento. António José achou piada ao miúdo e decidiu fazer uma miniatura da viola beiroa e oferecê-la à criança, sem pensar, sequer, que estava prestes a dar vida a um novo instrumento musical. “Depois de construída, outro formando pediu-me para fazer mais uma miniatura para oferecer ao seu neto. Quando fiz a segunda, comecei a pensar em fazer uma coisa a sério. A partir daí, fiz vários modelos, cada vez maiores e quando cheguei ao 12.º protótipo, verifiquei que o som era excelente”, conta.

Aquilo que começou por ser uma brincadeira, tornou-se numa questão séria. O curso da viola beiroa terminou e António José montou uma oficina na sua residência, em São Vicente da Beira, no concelho de Castelo Branco. Começou então a construir as “beiroinhas” e a fazer a divulgação deste instrumento musical que tem quatro ordens de cordas, todas em aço, e que é feito com diversos tipos de madeira, desde o abeto alemão, a nogueira, cerejeira, tília e ébano. “Toda a gente que tem experimentado este instrumento realça a qualidade do seu som, que é mais harmonioso e envolvente do que o som do cavaquinho tradicional. Trata-se de um instrumento para o povo, com uma construção rústica e vocacionado para o utilizador comum”, explica.

PÚBLICO -
Foto
António José já montou uma oficina de construção de "beiroinhas" Lusa

Em Janeiro deste ano, António José decidiu avançar com o registo deste novo instrumento musical no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, sendo que o despacho favorável deste organismo chegou no início de Junho, data a partir da qual o cavaquinho da Beira ou “beiroinha” passou a ser considerado marca nacional e desenho/modelo nacional. Neste momento, já existem 53 “beiroinhas” espalhadas pelo país, desde a região norte até ao Alentejo e o Grupo de Cavaquinhos de Penha Garcia, em Idanha-a-Nova, está equipado com este novo instrumento. “O ideal seria que os grupos de cavaquinho existentes na região adoptassem este instrumento que é genuinamente beirão. Como se trata de um produto artesanal é mais caro do que o cavaquinho”, afirma o fotojornalista.

António José explica que a construção da “beiroinha” tem como referência o modelo que está exposto no Museu Nacional de Etnologia e que pertenceu a Manuel Moreira, natural de Penha Garcia e considerado o último tocador de viola beiroa. “Demoro em média quatro dias a fazer uma ‘beiroinha’. A decoração varia entre o bordado original da viola beiroa do Manuel Moreira, o bordado de Castelo Branco, a rosa-albardeira, uma flor originária da freguesia de Toulões (Idanha-a-Nova), ou a margarida (da Aldeia de Santa Margarida em Idanha-a-Nova). Há também outras decorações a pedido do próprio proprietário”, disse.

O fotojornalista criou também várias ferramentas de apoio para a manufacturação da “beiroinha”. A Câmara de Idanha-a-Nova já manifestou o desejo de apoiar e de desenvolver este projecto, sendo que a ideia passa pela criação de um centro de interpretação/oficina da viola beiroa e da “beiroinha”. “Houve um especial carinho deste município, que é Cidade Criativa da Música pela UNESCO, para o meu projecto”, conclui.