Ruben Neves e Rui Patrício ajudaram a travar o United

Wolverhampton empatou em casa no encontro que fechou a 2.ª jornada da Premier League.

O momento do golo de Ruben Neves
Foto
O momento do golo de Ruben Neves Reuters/CARL RECINE

O jogo que encerrou a 2.ª jornada da Premier League foi mais veículo de promoção da qualidade do campeonato inglês. O Wolverhampton-Manchester United terminou com um empate (1-1), depois de uma mudança brusca de rumo no arranque da segunda parte, ditada por um momento sublime de Ruben Neves.

A goleada sobre o Chelsea (4-0) na ronda inaugural aconselhava cautelas especiais face ao momento actual dos “red devils”, que se apresentaram num 4x2x3x1 que viveu muito das movimentações ofensivas de Rashford, Lingard e Martial. E haveria de ser este trio a gerar a jogada que resultou no 0-1, aos 27’. Numa altura em que o Manchester United dominava por completo, uma triangulação à entrada da área culminou com uma assistência de Rashford para a finalização de Martial na passada. Rui Patrício pouco mais poderia ter feito.

O 3x5x2 inicial de Nuno Espírito Santo transformou-se, após o intervalo, num 3x4x3 por força da entrada de Adama Traoré. O Wolverhampton passou a ser mais perigoso pelos corredores laterais e ganhou um canto aos 54’. Um lance de laboratório, resolvido com um passe rasteiro e atrasado para a cabeça da área, direito a Ruben Neves: sem preparação, o médio português rematou em arco para um golo soberbo.

O momento ainda foi “fiscalizado” pelo VAR mas contou mesmo. Aproveitaram, então, os “wolves” para discutirem mais o jogo com bola e ainda colocaram o United em apuros num par de ocasiões, mas a ocasião mais flagrante até final pertenceu mesmo aos “red devils”, que conquistaram uma grande penalidade aos 68’. Pogba assumiu a marcação, mas não contava com uma reacção tão pronta e decidida de Rui Patrício, que, com aquela defesa, voltou a ajudar a equipa a travar o Manchester.