Motoristas põem fim à greve

A decisão foi tomada em plenário. Se Antram for “intransigente”, o sindicato dos motoristas de matérias perigosas admite voltar à greve, mas às horas extraordinárias, fins-de-semana e feriados.

Fotogaleria
Depois do final do plenário foi exibida uma bandeira do SNMMP Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Pedro Pardal Henriques anuncia aos jornalistas o fim da greve Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Francisco São Bento anuncia aos jornalistas o fim da greve Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
,Porta do carro
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Os motoristas de matérias perigosas decidiram este domingo pôr fim à greve iniciada a 12 de Agosto.

“Estão reunidas as condições para podermos negociar com a Antram, foi deliberado hoje desconvocar a greve”, disse aos jornalistas o porta-voz Pedro Pardal Henriques, este domingo, pelas 19h40, após o fim do plenário do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), em Aveiras de Cima. 

Aos jornalistas e em directo nas televisões, o presidente do SNMMP, Francisco São Bento, leu a moção aprovada no plenário em que foi decidido pôr fim à greve do sindicato independente, que já ia no sétimo dia e que não tinha data para terminar.

​Uma outra decisão foi também aprovada nesta reunião magna dos motoristas de matérias perigosas: “desencadear todas as diligências”, que podem incluir medidas como uma nova greve a horas extraordinárias, fins-de-semana e feriados, caso se mantenha o que a moção qualifica como a postura “intransigente” da Antram - Associação Nacional de Transportadores Público Rodoviários de Mercadorias na próxima reunião, agendada para terça-feira, com mediação do Governo.

Sublinhando que a classe profissional que representa “nunca esteve interessada em prejudicar os portugueses”, o presidente do SNMMP considerou a decisão tomada este domingo como “um passo em frente”, nomeadamente no sentido da negociação com os patrões. Francisco São Bento respondia a uma das jornalistas presentes, que questionava se a desconvocação da paralisação não poderia ser vista como “um passo atrás”. 

Mesmo antes da aprovação do final da greve, foi marcada uma reunião entre o sindicato dos motoristas de matérias perigosas e a associação patronal, no Ministério das Infra-estruturas e Habitação, na terça-feira, pelas 16h.

Costa louva “elevado civismo” dos portugueses

O primeiro-ministro, António Costa, saudou “a decisão de desconvocação da greve dos motoristas de matérias perigosas”, formulando “votos de sucesso para o diálogo que agora se retoma entre as partes”.

Em quatro tweets sobre o tema, o governante congratula-se “com o elevado civismo com que os portugueses viveram esta semana difícil para todos e a forma pacífica e sem qualquer violência como foram conduzidas todas as manifestações”.

Agradece ainda “às Forças Armadas, de Segurança e a todos os agentes de protecção civil o contributo que deram para minimizar os impactos da greve, no funcionamento dos serviços essenciais e na economia, para o que foi decisivo o rigoroso planeamento e avaliação por parte da ENSE”.

“Uma palavra de reconhecimento a todos os colegas” do Governo, finaliza, “pelo seu permanente empenho, sempre articulado e elevado espírito de equipa”. 

Antram não aceita “chantagens"

A Antram congratulou-se com a desconvocação da greve, manifestando-se disponível para ouvir as “reivindicações legítimas” dos motoristas de matérias perigosas, mas dentro do suportável pelas empresas de transporte.

Em declarações à CMTV, o porta-voz da Associação Nacional dos Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), André Almeida, saudou “a decisão” do SNMMP e disse que o patronato está receptivo “a ouvir” as “reivindicações legítimas” do sindicato. Contudo, frisou que as empresas “não podem aceitar aumentos” salariais que possam representar “despedimentos colectivos em massa” ou o “fecho das empresas”.

André Almeida reafirmou que a Antram está “disponível, como sempre, para o diálogo”, mas o que for negociado “é o que as empresas podem suportar”. O porta-voz assegurou que a associação está igualmente disponível para a reunião de terça-feira entre patrões e sindicatos, mas avisou que “não há entendimento possível” se o SNMMP for para as negociações com “chantagens e ameaças”. 

Protesto perdeu gás

Quando partiu para o protesto, o SNMMP avançou com duas linhas vermelhas bem vincadas nos piquetes de greve: aumentos salariais mais acelerados do que aqueles previstos no acordo assinado pelos outros sindicatos da Fectrans e um pagamento mais substancial das horas extraordinárias, para travar longos dias de trabalho.

Uma semana depois, com o país a normalizar os abastecimentos de combustível (os stocks estão em níveis como nunca se tinha visto desde o início da greve) e os grevistas assumidamente cansados, uma das linhas vermelhas perdeu força, a dos salários. Mas a outra, a das horas extra, permanece em cima da mesa. Como contrapartida, o sindicato pede que o subsídio de operações (que pode envolver as cargas e descargas) suba face ao acordado previamente com os patrões.

A greve começou na segunda-feira, 12 de Agosto, por tempo indeterminado, para reivindicar junto da Antram o cumprimento do acordo assinado em Maio, que prevê uma progressão salarial.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas (SIMM). Este último desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

Sugerir correcção