A Iniciativa Liberal e o ambiente: e se usarmos mais o cérebro A?

A coberto de alguns chavões de senso comum, Carlos Guimarães Pinto defende – o que também seria legítimo, mas para mim suicida – uma suposta inteligência económica que ressoa à “esperteza saloia” de Trump.

Foto
Reuters

No passado dia 15, Carlos Guimarães Pinto, que se apresenta como economista e presidente do partido Iniciativa Liberal (IL), publicou, aqui, um texto de opinião intitulado “Não há cérebro B”.

Apesar de se notar uma tentativa de algum equilíbrio na posição assumida, o texto pode ser resumido desta forma: cuidado com a narrativa dos ambientalistas, esses perigosos radicais, pois eles querem é acabar com o capitalismo; mesmo que Portugal cumpra todas as metas para a redução do impacto das alterações climáticas, em nada isso mudaria o mundo, pelo que seríamos parvos se nos esforçássemos em demasia. É evidente que, porque as coisas seriam demasiado chocantes assim ditas, o articulista avança com um conjunto de propostas já bem conhecidas e que todos subscreveríamos.

O que me incomodou no escrito foi o meta-discurso que lhe subjaz, totalmente respeitável, mas muito longe do que defendo. A apropriação política do tema do ambiente tem dado péssimos resultados, bastando falar nos EUA e na China, para citar apenas alguns exemplos. Poucos são, aliás, os países que não têm as mãos ensanguentadas pela morte a prazo a que sucessivas gerações estão a condenar as vindouras. Não trata o presidente do IL de jogar ao “negar o óbvio”, como Trump, mas em sugerir coisas mais subliminares.

O capitalismo está para ficar, pelo menos nos tempos mais próximos. Simplesmente, tal como o liberalismo, esta forma de organização sócio-económica pode ser entendida de variadas formas. Fui ler o “manifesto” e o “programa” do IL disponíveis na internet. Defendem o fim do que apelidam o “capitalismo de compadrio”, com a clássica redução do peso do Estado na economia. Fica sempre bem este chavão, mas não conheço dados objectivos de que assim seja.

Não me custando, embora, acreditar que, até historicamente, os portugueses esperam demasiado do Estado, esta lógica é perigosa quando, a coberto dela, se pretende acabar com a economia social, com o apoio aos mais desfavorecidos e com os serviços públicos. Os cartazes do IL são apelativos: menos carga fiscal; estamos todos afogados em impostos. É verdade, mas o que se deveria exigir era uma mais competente distribuição dos tributos.

Ser liberal, para mim, significa o respeito pela individualidade, mas sem esquecer que vivemos em sociedade e que, por isso, há um certo nível de inter e intra-responsabilidade. Afinal, continuando a leitura, o IL propõe “eliminar barreiras ao investimento em energias renováveis” e “promover a competitividade ambiental”. Esta última expressão pode ser equívoca e logo aparecem pistas interpretativas: a floresta deve ser um “pilar económico sustentável”, acabe-se com os impostos sobre veículos com zero emissões e com o IVA para os transportes púbicos. O primeiro ponto é delicado, pois a floresta ser um “pilar económico” pode significar ceder aos poderosos grupos de interesses que sistematicamente matam pessoas, fauna e flora, tornando-nos numa vergonha em incêndios florestais. Será isto que o IL defende e o seu presidente, ao escrever que deseja que Portugal não seja o bem comportado do grupo que, face às asneiradas dos outros, depois leva pancada por ter dado uma de pacifista?

Como se lê na “declaração política da IL de 2018”, nisto estamos de acordo – afasto-me do fascismo e do comunismo. Mas nada disto significa que Portugal se não deva esforçar, nacional e internacionalmente, por lutar de modo empenhado pelo cumprimento do Protocolo de Paris e demais instrumentos de Direito Internacional. A questão não é a de se ser mais esperto que os outros e de usarmos o “cérebro A”.

O problema é mesmo o de não existir “planeta B” e de, a coberto de alguns chavões de senso comum, se defender – o que também seria legítimo, mas para mim suicida – uma suposta inteligência económica que ressoa à “esperteza saloia” de Trump. Sobretudo, foi este travo que me desagradou no artigo, como num vinho de qualidade duvidosa. Liberal, liberal, mas responsável. Liberal, liberal, mas sem a arrogância de pensar que só pensa quem é liberal.