Associação de Inquilinos do Norte recebe 350 pedidos de ajuda por mês

Há cada vez mais gente a pedir apoio jurídico com receio de perder a casa. Isilda e Albina Santos até já escreveram ao Presidente da República. João Dionísio está sem contrato e vai pedir ajuda à Segurança Social. “Né” e “Augustinha” vivem com obras dentro de casa. Uma manhã no centro histórico em busca de rostos por detrás dos números

As manhãs de atendimento na Associação de Inquilinos do Norte de Portugal são angústia permanente. Mariana Martins garante não exagerar quando diz que em todas elas há quem entre no seu gabinete mergulhado em lágrimas de desespero. Gente em situação de despejo eminente, a braços com cessações de contratos, vítimas de assédio, aflita com cartas de novos senhorios, empresas nacionais ou estrangeiras, fundos imobiliários quase sempre sem rosto. Muitos inquilinos são vítimas de crimes e têm a lei do seu lado. Mas, ainda assim, protegê-los é uma luta intrincada. “A fragilidade de muitas destas pessoas é imensa”, lamenta a advogada: “Do outro lado, parece esquecer-se muitas vezes estar em causa um bem constitucionalmente protegido.”