Conselho de Segurança vai discutir a situação na Caxemira

Na quinta-feira, segundo as autoridades paquistanesas, dois civis e três soldados foram mortos na fronteira da Caxemira.

Foto
Numa manifestação, em Caxemira, contra a decisão de Nova Deli Reuters/JEENAH MOON

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai discutir esta sexta-feira, em Nova Iorque, em reunião à porta fechada, a situação de Caxemira, a pedido do Governo do Paquistão, depois de Islamabad ter anunciado que pelo menos dois civis e três soldados paquistaneses foram mortos em menos de 24 horas na Linha de Controlo da Caxemira, por disparos de tropas indianas.

O general  Asif Ghafoor, porta-voz das Forças Armadas paquistanesas, afirmou ainda que os seus soldados mataram cinco indianos, quando as tropas da Índia disparam. A Índia nega, no entanto, que tal tenha acontecido.

Nos dias 14 e 15 de Agosto, Paquistão e Índia comemoram o aniversário da sua independência da Império Britânico, e do seu nascimento como países, num clima de grande tensão porque Índia revogou, por decreto, a autonomia da Caxemira, um estado de maioria muçulmana num país de maioria hindu, que faz fronteira com o Paquistão. 

Desde 4 de Agosto, a Caxemira indiana está isolada do mundo, por acção do Governo indiano. Foram impostos pelas autoridades indianas controlos sobre as comunicações e restrições pesadas de circulação. Grande número de políticos e figuras destacadas da Caxemira, intelectuais e empresários, foram detidos pela polícia indiana. Há um grande número de polícia nas ruas, até mesmo nas mesquitas, descreve a Reuters.

Índia e Paquistão, as duas potências nucleares do sul da Ásia já travaram duas guerras pelo controlo de Caxemira.

Diferentes grupos separatistas combatem, há décadas, a presença de cerca de 500 mil soldados indianos no estado de Jammu-Caxemira, para exigir a independência do território ou a integração no Paquistão. Dezenas de milhares de pessoas, na grande maioria civis, já morreram no conflito.