Turismo espacial: o primeiro porto comercial abriu no Novo México

Fica na cidade de Verdade ou Consequências e estava pronto desde 2014. Foi um grande salto para Richard Branson, um pequeno passo para o turismo espacial.

,Espaçoporto
Fotogaleria
Virgin Galactic
Spaceport America
Fotogaleria
Foster+Partners
,Verdade ou Consequências
Fotogaleria
Reuters
,Espaçoporto
Fotogaleria
Foster+Partners
,galáctico virgem
Fotogaleria
Rochard Branson, dono da empresa, e a governadora do Novo México, Michelle Lujan Grisham, do Partido Democrata, na abertura do Spaceport America Virgin Galactic
,galáctico virgem
Fotogaleria
Virgin Galactic
,Verdade ou Consequências
Fotogaleria
Reuters
Spaceport America
Fotogaleria
Virgin Galactic
Fotogaleria
Virgin Galactic
Fotogaleria
Foster+Partners
,Verdade ou Consequências
Fotogaleria
Reuters
,galáctico virgem
Fotogaleria
Virgin Galactic
Spaceport America
Fotogaleria
Virgin Galactic
Arquitetura
Fotogaleria
Foster+Partners
,galáctico virgem
Fotogaleria
Virgin Galactic
,galáctico virgem
Fotogaleria
Reuters
Spaceport America
Fotogaleria
Virgin Galactic
Spaceport America
Fotogaleria
Foster+Partners
Fotogaleria
Virgin Galactic
Fotogaleria
Virgin Galactic
,Espaçoporto
Fotogaleria
Reuters
,Aviação
Fotogaleria
Virgin Galactic
Fotogaleria
Virgin Galactic
galáctico virgem
Fotogaleria
Virgin Galactic

Richard Branson queria ir ao espaço até Julho deste ano, mas o desejo do multimilionário britânico que apostou na Virgin Galactic para desenvolver o turismo espacial não se confirmou. O melhor que conseguiu foi abrir esta semana o primeiro spaceport dos EUA, a partir do qual vai gerir a operação comercial dos voos turísticos para fora do planeta Terra. A empresa divulgou no Twitter um vídeo com imagens que revelam diferentes ângulos do exterior e do interior. O director de Design, Jeremy Brown, explica noutros dois vídeos, as opções de interior, para as diferentes zonas, incluindo a sala de controlo de missões.

O porto espacial estava construído desde 2014, numa pequena cidade do Novo México, de 6000 habitantes. Chamava-se Hot Springs e mudou de nome para Truth or Consequences (Verdade ou Consequências, acreditem ou não), nos anos 50, em homenagem a um popular programa que nasceu na rádio e migrou para a TV.

Foram precisos 200 milhões de dólares e 10.233 metros quadrados de terreno desértico para concretizar o projecto do gabinete Foster + Partners. Mas faltava alguém que lhe desse uso. E a Virgin Galactic, que tem uma lista de reservas com 600 pessoas dispostas a pagar 250 mil dólares para irem ao espaço uns minutinhos, decidiu aproveitar a primeira infra-estrutura do mundo pensada para a exploração de voos comerciais deste género.

PÚBLICO -
Foto
O plano de descolagem, voo e aterragem dos aparelhos da Virgin Galactic, a partir do porto espacial do Novo México DR

A transferência para ali começou em Maio de 2019. Branson mantém a construção de naves no deserto do Mojave, na Califórnia, a 1000km de distância de Verdade ou Consequências. Mas em nome do gigantesco investimento que tem feito, desde 2004, o patrão da Virgin Galactic decidiu dar este grande salto até ao Novo México. Ainda assim é um pequeno passo para o turismo espacial; a avaliar pelo andar da carruagem, tão cedo não vamos de férias para uma galáxia muito, muito longe. Nem perto.

PÚBLICO -
Foto
Vista do Gaia Lounge, numa fotografia divulgada no Twitter pela Virgin Galactic Virgin Galactic

Nos anos 60, a corrida ao espaço era um assunto de Estado, uma trincheira da guerra fria entre EUA e URSS. Na corrida à Lua, ganharam os norte-americanos, com a missão Apollo 11, cuja alunagem aconteceu há 50 anos, uma efeméride assinalada em Julho.

Nos bastidores desse acontecimento, houve outra data importante, sobre a qual ninguém fala mas que também celebra meio século, precisamente esta semana: ao fim de 21 dias de quarentena, os tripulantes da Apollo 11 regressaram a casa, mostrando que era possível ir à Lua e regressar e, além disso, prosseguir normalmente com a vida, como se tivesse sido apenas uma viagem de avião.

O que era uma corrida entre blocos geopolíticos é hoje uma batalha entre empresas e multimilionários. As empresas de Richard Branson, Jeff Bezos (Blue Origin) e Elon Musk (SpaceX) são apenas três nomes de um leque de concorrentes ao mercado do turismo espacial para o qual já existem estudos mas faltam ainda infra-estruturas, enquadramento legal (por exemplo, onde começa o espaço, nos 100km de altitude ou abaixo?) e tudo o resto. Só que, ao contrário do que em Janeiro anunciou destemidamente essa “bíblia” da tecnologia chamada Wired – que ousou garantir que “2019 é o ano em que o turismo espacial se tornará finalmente uma realidade” –, este negócio continua mais ou menos a marinar.

Apesar do avanço tecnológico desde a chegada à Lua, apesar das visitas à Estação Espacial Internacional (feitas por sete milionários e que terminaram em 2009), nada é tão célere como um foguetão. Basta pensar, por exemplo, que a propulsão química usada actualmente é, grosso modo, igual à de há 50 anos.

No meio desta corrida, a Virgin fez com êxito um voo com tripulação e passageiro. Foi em Fevereiro e tudo parecia bem encaminhado para que Branson assinalasse o lançamento da operação comercial com um voo em que ele próprio participaria. Porém, tal não aconteceu.

PÚBLICO -
Foto
Momento do voo de Fevereiro até ao espaço com três pessoas a bordo Virgin Galactic

Boris lançou uma rifa para sair da Terra

Para Boris Otter, um suíço de 50 anos que nasceu três meses antes da primeira alunagem humana, o sonho de chegar lá acima também avança lentamente. Boris obteve a licença de piloto comercial em 2001. “Coincidiu com os ataques de 11 de Setembro nos EUA e tive de dar outro rumo à minha vida”, conta Boris, ao telefone, a partir de Genebra.

PÚBLICO -
Foto
Boris Otter persegue o sonho de vestir um fato espacial longe da Terra L'Illustré/Blaise Kormann

Abraçou então outra carreira da aviação, mas em terra, e começou a perseguir o sonho de um dia chegar ao espaço. Só que, a 250 mil dólares por pessoa por voo, parece um desiderato reservado a milionários. E Boris não é um deles. Para contornar isso, lançou em Maio uma campanha internacional que, se tiver sucesso, o levará a ele e a mais cinco pessoas para lá da linha de Kármán, 100km acima do nível do mar, fronteira da atmosfera da Terra e início do espaço exterior.

Depois de uma campanha de angariação de dinheiro (com a qual reuniu 15 mil francos suíços), Boris fundou a Swiss Space Tourism, uma associação privada a que preside. A ideia é esta: Boris quer angariar 20 mil associados; cada um pagará 80 euros para se tornar sócio e recebe em troca uma rifa que dá acesso a um sorteio; serão sorteados mais cinco lugares; a viagem deles será paga com o dinheiro angariado.

O nome de todos os “associados” e apoiantes são publicados no site da associação. E as contas e a actividade da Swiss Space Tourism está sujeita a controlo legal, garante o fundador. Em dois meses, Boris soma 50 sócios. “Está a ser bastante lento mas a campanha está no início e só agora começou a chegar às notícias”, explica. Até ao fim deste mês, Boris oferecerá 100 rifas sem custo e que entrarão no tal sorteio. Para tal, os interessados terão de ajudar a espalhar a palavra pelas redes sociais (as regras estão explicadas no site).