“Governo decidiu requisição civil com base em informação distorcida”

Mesmo com serviços mínimos e requisição civil em cima da mesa, os abastecimentos continuam a falhar. Agora discute-se a duração de horários de trabalho, com o ministro do Ambiente a recordar que o limite para estes motoristas são as 60 horas semanais. Requisição civil não encurtou a greve - sindicato diz que ela pode durar “dez anos”.

Foto
Nelson Garrido

Dizia a experiência que de cada vez que um Governo decretava uma requisição civil, a greve em curso teria os dias contados – e normalmente eram poucos. No caso da actual greve dos motoristas de matérias perigosas – sobretudo os motoristas de combustíveis – a decisão do executivo em decretar requisições graduais, ou parciais, para acudir a uma situação onde se alega que os serviços mínimos não foram cumpridos pode ter o efeito oposto, e prolongar a greve indefinidamente. O representante do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, foi o primeiro a dizê-lo, às primeiras horas da manhã do segundo dia de paralisação: por este andar, “a greve pode durar dez anos”.