Everybody be cool, this is a robbery!: os 25 anos de Pulp Fiction

Nos 25 anos da estreia de Pulp Fiction, a Medeia Filmes exibirá uma cópia restaurada, na programação Fins-de-Semana no Cinema Monumental, em Lisboa, a 24 de Agosto, às 21h, e 15 de Setembro, às 19h30.

Coelhinho de mel
Foto
Uma receita idiossincrática saturada de humor negro, extensas sequências de diálogos embebidos em referências pop, violência estilizada

Pulp Fiction convida à celebração pelo seu lugar não só na carreira de Quentin Tarantino como na história do cinema. Frequentemente considerado como a obra-prima do realizador (de quem veremos, a partir de quinta-feira, o novo trabalho: Era uma vez... em Hollywood), o filme, que estreou no Outono de 1994, vem na sequência de argumentos seus realizados por outrem (como True Romance por Tony Scott, Natural Born Killers por Oliver Stone) e de Cães Danados, um filme que entrou em produção devido ao envolvimento de Harvey Keitel. Cães Danados colocou Tarantino no mapa, mas Pulp Fiction tornou-o numa estrela – algo tornado claro pelo facto de ter sido anfitrião do programa Saturday Night Live em Novembro de 1995, honra concedida só a celebridades como actores, cantores ou comediantes. Não só ganhou a Palma de Ouro na edição de 1994 do Festival de Cannes, como foi nomeado para sete Óscares, isto para além do sucesso comercial (200 milhões de dólares de receitas) e crítico. Ganhou o Óscar de Melhor Argumento Original – feito que o realizador quer repetir tantas vezes que dêem a alcunha de “O Tarantino” ao prémio – e (re)catapultou as carreiras de Uma Thurman, John Travolta e Samuel L. Jackson.