Opinião

Dividir para reinar

Se um dia precisarmos de reivindicar os nossos direitos ou melhorarmos as nossas condições de trabalho, logo se vê. Somos gente séria, não safardanas como essa malta que quer parar as instituições, a economia, Portugal.

Quando António Costa acabou com a liderança do Tozé, afastando-o à cotovelada da chefia do Partido Socialista, batemos palmas. Afinal, pensava-se, Seguro era um líder poucochinho, mole, sem sangue político suficiente para preencher os corpos cavernosos da malta, dando tesão à oposição e ao país.

Quando, nas eleições legislativas, ele e o seu clube do Rato ficaram em segundo lugar na corrida, tivemos fezada no seu sorriso malandreco e na sua esperteza de camaleão. Afinal, fosse por que via fosse, era preciso erradicar o Passos Coelho e os seus betinhos. Engoliram-se sapalhões com uma boa litrada de sais de fruto. Precisávamos de uma “nova correlação de forças progressistas”, capaz de devolver aos portugueses os seus rendimentos, roubados (dizia-se) pelos malfeitores da troika. E a fezada deu resultado. O novo Sant’ Antoninho, manobrador ardiloso, lá conseguiu juntar e untar peças desconjuntadas numa inesperada traquitana. E nasceu a “geringonça”, mesmo contra algumas vozes internas, prontamente caladas com boa rolha ou reduzidas à sua ruidosa insignificância.

Aplaudimos, babados, a solução governativa. Rejubilámos com a reviravolta, suspirando por mais uns euros na depauperada conta bancária e pelo regresso aos tempos em que podíamos pedir empréstimos à banca sem medo do futuro e usar à fartazana o cartão de crédito, esturrando o numerário que não tínhamos em tudo quanto nos apetecesse, desde a compra de pacotes de férias na estranja à aquisição de cuecas de boa marca. Poucos voltaram a lembrar a inteira responsabilidade dos socialistas e do seu “menino de oiro” chamado Sócrates na vinda do FMI e dos seus comparsas. Só os resmungões envinagrados continuaram a recordar quem sugara e para onde, em seis anos de gestão pê-ésse, o pecúlio que então nos restava. A bem da nação e da carteira, esquecemos quase todos que António Costa, Augusto Santos Silva e outros membros da sua companhia haviam sido amnésicos e amblíopes governantes daquele Senhor Engenheiro formado ao domingo, com vida de nababo em Paris e amigos-chave na Venezuela e noutros lugares mal frequentados. Que nos interessava esse passado, se a massa já começava a pingar na algibeira e até parecia ser possível – e fácil – equilibrar mesmo assim as contas públicas?

Quando começaram a surgir os sinais de que nem todas as plantas do jardim do Palácio de São Bento eram orégãos, de que a propagada “devolução de rendimentos” era apenas um dar com uma mão e tirar com a outra (uma espécie de ilusionismo, não de feira, mas de alto coturno), de que a redução das estatísticas do desemprego beneficiava da emigração, de salários indignos, do trabalho precaríssimo e a tempo parcial – fizemos por não acreditar. Olhámos para o lado e assobiámos, não crendo que um sorriso tão patusco quanto o de Centeno, ladeado pelo smile tão de Buda ou marajá do amigo Costa, pudesse enganar a lusa gente.

Quando o enfezado gato escondido começou a mostrar o seu rabo pouco limpo e menos firme, ainda estrebuchámos, depois de sentirmos um arrepio. Afinal, começava a cheirar a esturro. Fãs de Costa e da “geringonça”, mesmo assim fomos para o feicebuque mandar umas bocas e espumar, nem sempre com boa ortografia. Olhámos, todavia, para as outras agremiações políticas, para os seus capatazes e capatazas, e acabámos por suspirar como certos cônjuges traídos, dizendo para os botões da camisa ou da braguilha que, mal por mal, antes o Toni e os seus anexos, apesar de conhecermos de ginjeira o histórico da casa socialista. Poderiam mostrar uma face pouco digna e nada empática, mas ainda assim tínhamos na carteira o que faz falta. Poderiam exibir-se pouco ou nada competentes – a não ser na promoção social, política e financeira da primáfia, dos amigalhaços ou da clientela partidária e empresarial –, mas afinal, quando era preciso músculo, a erecção lá aparecia, ainda que alimentada por comprimidos.

De vez em quando, o grilo falante azucrinava-nos a consciência. Fomos fazendo a barrela. Afinal, não custava nada vociferar que “é tudo a mesma canalha… mas antes este que o Passos… sempre nos deu mais alguma coisa…”. Em segredo, contudo, no outro ombro havia sempre o atávico diabinho que nos levava a compreender a corrupção e o tráfico de influências: “Bem faz ele e os seus quando se amanham… Nós se lá estivéssemos faríamos o mesmo… A família é para ser ajudada… E quem não gosta de ser agradável ou de fazer um favor a um amigo? Somos gajos porreiros.”

Quando vimos o governo e os seus acólitos espezinhar e difamar os funcionários públicos, sobretudo os polícias, os militares, os professores, os enfermeiros e vários outros profissionais – batemos palmas. Afinal, não passam de malandros que ganham demasiado para o que fazem. “Que vão para a gaja de maus costumes que os pôs no mundo! Chulos! Deviam ser proibidos de fazer greve… para baixarem a bolinha!” Quando a musculatura do governo se atirou aos estivadores, aos camionistas e a outros trabalhadores, batemos as palmas ao CEO do país e aos seus moçoilos e moçoilas. “E se fosse contigo…?” Que raio de pergunta nos haveria de assaltar! Se um dia precisarmos de reivindicar os nossos direitos ou melhorarmos as nossas condições de trabalho, logo se vê. Somos gente séria, não safardanas como essa malta que quer parar as instituições, a economia, Portugal.

Diz-se pelas esquinas que uma boa parte dos portugueses é como aquele sujeito que, traído às claras pela mulher com um empresário que lhe pagava as contas de casa, afirmava sem vergonha aos amigos: “Cornos que deitam azeite, deixam-se crescer…” Haja capital, próprio ou alheio, e o resto que se lixe. Direitos laborais, bom nome alheio, liberdade de expressão, educação de qualidade e outras bizantinices interessam pouco ou nada, desde que haja circo, deboche e pimbalhice em barda, barriga a transbordar, passeio, carro novo e gadgets. O resto são cantigas e parvoíces de quem se mete em políticas.

Diz-se pelas esquinas – mas eu não quero acreditar. Tenho todavia para mim que a larga malta que gere, bem ou mal, este país acredita na nossa falta de ética, dela se aproveitando às escâncaras. Se assim não fosse, continuariam a reinar, a gozar impunemente com as nossas caras? Se assim não fosse, continuariam a dividir os portugueses, atirando-nos uns contra os outros? Dividir para reinar parece ser a máxima vigente. Não seremos todos parvos, mas lá que as papas e os bolos parecem surtir efeito, ninguém pode negar.