Kremlin garante que não há crise política na Rússia

Porta-voz do Governo russo garante que não há crise política só porque há manifestações de milhares de pessoas que terminaram com mais de dois mil detidos.

,Protesto
Foto
Uma manifestante detida pela polícia durante um protesto TATYANA MAKEYEVA/Reuters

Mais de dois mil detidos depois, acusações de brutalidade policial e a multiplicação de protestos contra o Governo e as autoridades, o Kremlin referiu-se publicamente pela primeira vez, esta terça-feira, aos acontecimentos das últimas semanas para garantir que não há nenhuma crise política na Rússia.

“Não concordamos com o que muita gente diz de que existe uma crise política na Rússia”, afirmou esta terça-feira aos jornalistas Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin. “Em muitos países do mundo há protestos. São provocados por assuntos específicos” e “não se pode associar isso a qualquer crise”, acrescentou.

Manifestações de protesto contra a perspectiva de fraude eleitoral nas eleições locais, têm levado milhares de pessoas para a rua em Moscovo, o maior movimento de protesto que a Rússia já assistiu desde 2013.

Apesar de serem manifestações pacíficas, a polícia recorreu à força e deteve mais de duas mil pessoas. Vídeos da brutalidade policial contra os manifestantes desarmados circulam pela Internet, aumentando ainda mais a dimensão dos protestos.

Para Peskov, a forma de actuação da política foi justificada e que casos particulares de excesso de uso de força serão investigados. “Consideramos totalmente inaceitável o uso excessivo da força por parte da polícia, mas consideramos totalmente justificada a firmeza das forças de segurança para pôr fim à perturbação da ordem pública”, referiu.

A última e a mais importante das manifestações das últimas semanas para exigir eleições livres aconteceu no sábado, juntou cerca de 60 mil pessoas e terminou com mais de 250 pessoas detidas e condenadas a penas de até 30 dias de prisão. Entre eles, Alexei Navalni, o principal rosto da oposição a Vladimir Putin na Rússia.

Imagens de uma jovem a ser violentamente agredida no estômago por um polícia levantaram muitas críticas e obrigaram o Ministério do Interior a agir, instaurando um inquérito para investigar o incidente.

O movimento de protesto em Moscovo surgiu depois de cerca de 60 candidaturas independentes às eleições locais de 8 de Setembro terem sido recusadas pelas autoridades sem grande justificação, numa altura em que a crise económica tem provocado uma erosão na popularidade do Presidente Putin, que na passada sexta-feira completou 20 anos no poder.

Para Peskov, é muito simples, todos aqueles que pretendiam candidatar-se às eleições e não foram aceites “têm o direito de apelar à justiça” para que o seu caso seja revisto.