V. Guimarães: Seguir em frente sem facilitar

Vimaranenses entram na segunda mão da terceira pré-eliminatória da Liga Europa com uma vantagem de três golos.

Ivo Vieira, treinador do Vitória de Guimarães
Foto
Ivo Vieira, treinador do Vitória de Guimarães LUSA/HUGO DELGADO

O Vitória de Guimarães tem tido até agora uma carreira sem falhas na Liga Europa e tem tudo para seguir em frente. Na quarta-feira (17h, SportTV1), os vimaranenses recebem no D. Afonso Henriques o Ventspils em jogo da segunda mão da terceira pré-eliminatória de acesso à fase de grupos, depois de uma vantagem confortável (0-3) obtida no jogo da primeira mão, na Letónia. Mas, por mais confortável que seja a almofada, o técnico Ivo Vieira não quer que a equipa adormeça no segundo confronto com o vice-campeão letão, que já vai bem adiantado na época.

“Temos de estar focados no que é o jogo, no que é o resultado, em passar a eliminatória. Não podemos considerar que os jogos estão conquistados. Temos uma vantagem confortável, mas não podemos dormir à sombra deste resultado”, alerta o técnico dos vimaranenses, cuja vitória robusta, obtida em Riga, foi construída com golos de Davidson, Pêpê e Amoah. 

Um triunfo nesta eliminatória coloca o Vitória no play-off de acesso à fase de grupos frente a um adversário que sairá do confronto entre o FK Mladá Boleslav, da República Checa, e o FCSB, da Roménia — houve um empate sem golos na primeira mão.

Apesar do calendário carregado neste início de época, o Vitória tem tido um arranque perfeito, com quatro triunfos em quatro jogos (entre Taça da Liga e Liga Europa), nove golos marcados e zero sofridos, sendo que ainda não se estreou na I Liga — o jogo com o Rio Ave foi adiado por falta de condições numa das bancadas do estádio, em Vila do Conde. 

Ivo Vieira, que cumpre a sua primeira época como técnico do Vitória, garante que a equipa estava pronta para o compromisso do campeonato. “Estávamos preparados para jogar e é um bom hábito e bom prenúncio ter esta sequência de jogos. Que assim seja por muito tempo. O que aconteceu foi por razões que não estavam ao nosso alcance”, salientou.