O punk disse às mulheres: tu podes fazer isto. E o rock mudou

Antes do punk, as mulheres tinham lugares definidos no rock: groupie ou cantora bonita. O punk mudou as regras, escreve Vivien Goldman no livro Revenge of the She-Punks. Mas a luta continua.

,Música
Foto
As Slits cozinharam Cut (1979), que olhava de soslaio para o punk e o reggae para lhes mudar as perspectivas (é um dos discos definidores da era pós-punk)

Some people think little girls should be seen and not heard/ But I say.../ Oh bondage! Up yours! 1, 2, 3, 4!”. Quando Vivien Goldman ouviu pela primeira vez Poly Styrene, a vocalista dos X-Ray Spex, gritar “Oh bondage, up yours!” teve uma revelação. O alvo daquele grito, que teria como companhia guitarra furiosa e saxofone libertário segundos depois, “era o patriarcado”, escreve em Revenge of the She-Punks: A Feminist Music History from Poly Styrene to Pussy Riot. “Styrene era uma aparição de libertação sem precedentes. Ela estava a gritar que eu podia fazer parte de uma comunidade de raparigas musicais criativas.”