Jamaica exige ao Museu Britânico que lhe devolva um deus da chuva e outras esculturas espoliadas há 200 anos

O movimento internacional pela restituição da arte a ex-colónias continua. Dada a composição do seu acervo, o Museu Britânico será um dos alvos preferenciais dos pedidos de restituição. Já está habituado.

,O Museu Britânico
Fotogaleria
Uma escultura feita pelos tainos, provavelmente no final do século XV, início do XVI, representando Boinayel, um deus da chuva Museu Britânico
,Zemi
Fotogaleria
Escultura representando um homem alado, descoberta numa gruta em 1792 The Trustees of the British Museum

Está longe de ser a primeira vez que o Museu Britânico se vê a braços com um pedido de restituição feito por um Estado soberano. Há décadas que o Egipto exige que lhe seja devolvida a Pedra de Roseta, chave para a decifração dos hieróglifos, e que a Grécia reclama o regresso dos frisos e outras esculturas em mármores do Pártenon (o Reino Unido chama-lhes mármores de Elgin porque foi este lord, à época embaixador da coroa britânica junto do império otomano, que em 1806 os levou para a Grã-Bretanha) em campanhas envolvendo políticos e outras figuras públicas, até aqui sem resultados.

A estes dois exemplos que estão entre os mais mediáticos no que diz respeito aos pedidos de restituição de património a grandes museus internacionais vem juntar-se agora mais um, sem que nele haja nada de surpreendente. A Jamaica, colónia britânica até 1962, quer agora que o Museu Britânico lhe devolva uma série de artefactos que foram levados desta ilha do Caribe há 200 anos.

As pretensões do Governo jamaicano, de que o museu garante não ter ainda qualquer conhecimento a título oficial, de acordo com o diário britânico The Guardian, foram formalizadas no Parlamento, em Kingston, pela ministra da Cultura, Olivia Grange. De acordo com um diário local, o Gleaner, Grange exigiu a restituição de vários artefactos levados para o Reino Unido durante os 300 anos em que o país pertenceu ao império britânico, em particular duas esculturas, uma representando um homem alado, descoberta numa gruta em 1792, e outra um deus da chuva, Boiyanel, feita há 500 anos.

“[Estas esculturas] nem sequer estão expostas”, disse Grange no Parlamento, ainda segundo o Gleaner. “Mas têm um valor inestimável, são muito importantes para a história da Jamaica e pertencem ao povo da Jamaica”, acrescentou, informando os outros parlamentares de que estão já a ser feitos esforços junto de vários organismos internacionais para que regressem a casa. A ministra quer de volta, também, os filmes feitos na ilha que documentam o seu desenvolvimento e que estão hoje em arquivos espalhados pelo mundo, escreve o diário jamaicano.

As esculturas a que Olivia Grange se refere foram criadas pelos tainos, o grupo indígena que habitava as Antilhas à data da chegada dos europeus, no século XV. Terão resultado das primeiras campanhas arqueológicas realizadas na Jamaica e chegaram ao Museu Britânico integradas na colecção de William Ockleford Oldman, um conhecido negociante de arte etnográfica do final do século XIX, começos do XX, escreve o Guardian.

Justificando a sua ligação a objectos produzidos pelos tainos, o Museu Britânico ressalva que tem dois em exposição — uma escultura e um pequeno banco ritual — e que muitos outros têm sido emprestados a museus na Índia, no Japão, em França e em Espanha, ou integrado mostras concebidas para andar em digressão.

Povos lesados

O debate em torno da restituição de artefactos pelos grandes museus internacionais a países que outrora fizeram parte dos territórios coloniais das principais potências europeias não é novo, mas conheceu nos últimos anos impulsos significativos. Um deles foi o relatório que o Presidente francês Emmanuel Macron encomendou a dois académicos, Felwine Sarr e Bénédicte Savoy, que resultou numa recomendação geral: o país deverá devolver a África toda a arte que de lá foi ilicitamente retirada durante o período de ocupação. Uma recomendação que poderá levar à reanálise da proveniência de cerca de 90 mil peças africanas espalhadas por 50 museus franceses, na sua esmagadora maioria incorporadas nas colecções antes de 1960, e que já pôs outros países a olhar para os acervos que têm em casa.

Curiosamente, lembram os críticos, o relatório Savoy/Sarr nada diz sobre as obras oriundas do Pacífico, onde ainda existem territórios dependentes de Paris (com o estatuto de colectividade ultramarina), que têm no Museu do Quai Branly a sua montra francesa mais importante.

O debate sobre a restituição da arte de territórios outrora ocupados aos países de origem promete continuar, e Portugal não deverá escapar-lhe. Países como a Holanda e a Alemanha estão já muito envolvidos: o primeiro muito por acção de grandes instituições culturais, como o Rijksmuseum, o segundo por reacção à pressão da opinião pública e a pedidos de indemnização de descendentes de povos lesados.