Centro científico sobre o Atlântico com sede nos Açores inaugura pólos no Brasil

Cabo Verde também receberá em Setembro um pólo do centro de investigação internacional.

Foto
Cimeira com representantes de vários países na ilha Terceira em Abril de 2017 para criar o AIR Centre ANTÓNIO ARAÚJO/LUSA

O Centro de Investigação Internacional do Atlântico (AIR Centre), com sede nos Açores, vai inaugurar dois pólos no Brasil, um no Rio de Janeiro, hoje, e outro em Salvador, na próxima quarta-feira, na presença do ministro português da Ciência.

Os pólos brasileiros do AIR Centre irão desenvolver actividades nos domínios da computação e observação da Terra, com aplicação na segurança marítima, no apoio às pescas, na mobilidade das cidades e na gestão de risco, indicou o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

O AIR Centre, com sede na ilha açoriana da Terceira e dirigido pelo espanhol José Joaquín Hernández-Brito, partiu da iniciativa de Portugal e tem o Brasil como um dos países fundadores.

Os pólos do AIR Centre no Brasil “vêm reforçar a afirmação internacional” do centro de investigação, uma rede científica transnacional direccionada para o estudo do Atlântico nas áreas dos oceanos, clima, espaço, energia e ciência de dados.

O pólo do Rio de Janeiro fica localizado no Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Ilha do Fundão, enquanto o de Salvador está no Instituto de Geociências da Universidade Federal da Bahia.

Em declarações à agência Lusa a partir do Rio de Janeiro, o ministro da Ciência português, Manuel Heitor, precisou que um dos primeiros trabalhos a desenvolver pelo pólo do Rio de Janeiro será a “monitorização da biodiversidade” da baía de Guanabara, “altamente poluída”, com recurso à inteligência artificial e a sensores colocados na água e em satélites. Quanto ao pólo de Salvador, começará, entre outros projectos, com “o apoio às pescas e a análise da biodiversidade das zonas costeiras do nordeste brasileiro”, adiantou o ministro.

Segundo Manuel Heitor, trata-se de estudar “problemas” reproduzíveis à escala global, mas com “impacto local”, até porque os pólos do AIR Centre “têm autonomia para realizar os seus próprios projectos”.

Depois do Brasil, Cabo Verde será o próximo país a receber uma valência do AIR Centre, que será formalizada em Setembro, avançou Manuel Heitor.

O Centro de Investigação Internacional do Atlântico já tem pólos em Espanha, Reino Unido, Angola, Nigéria e África do Sul, que são também países fundadores, juntamente com Portugal, Brasil e Cabo Verde.

A inauguração das valências brasileiras do AIR Centre enquadram-se numa visita de uma semana de Manuel Heitor ao Brasil, sendo acompanhado pelo director do AIR Centre, José Joaquín Hernández-Brito, e por responsáveis de instituições académicas e científico-tecnológicas. O ministro vai participar em conferências e reforçar parcerias científicas e académicas entre Portugal e quatro estados brasileiros: Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Bahia. Estas parcerias envolvem universidades e centros científicos e tecnológicos, nomeadamente o Ceiia – Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto, de Matosinhos, que tem projectos na área da mobilidade automóvel no estado do Paraná.

Sugerir correcção