Modi vai explicar suspensão de autonomia da Caxemira

Foram detidas mais de 500 figuras proeminentes no estado indiano de maioria muçulmana, alguns em rusgas nocturnas.

Foto
Protesto em Lahore, no Paquistão, contra o primeiro-ministro indiano Narendra Modi RAHAT DAR&EPA

A Caxemira é “um assunto interno da Índia”, respondeu Nova Deli à pressão de Islamabad, que expulsou o embaixador indiano, por causa da revogação do estatuto de autonomia da Caxemira – um estado indiano onde a maioria da população é muçulmana e que ao longo dos anos sido motivo permanente de conflitos com vizinho Paquistão.

O primeiro-ministro nacionalista hindu Narendra Modi deve fazer um discurso transmitido pela rádio esta quinta-feira para explicar a decisão do seu Governo de suspender a autonomia da Caxemira.

A agência noticiosa AFP cita media indianos que relatam a detenção de pelo menos 560 figuras proeminentes na Caxemira, alguns deles presos em rusgas nocturnas. São professores universitários, empresários e activistas políticos, que foram levados para centros de detenção improvisados em várias cidades, como Srinagar, Baramulla e Gurez.

Teme-se que esta decisão seja geradora de violência, logo que os pesados controlos militares sejam levantados – o que poderá acontecer quando se iniciar a festa religiosa muçulmana do Eid, na segunda-feira, diz a AFP.

Um porta-voz das Nações Unidas considerou “profundamente preocupantes” as restrições impostas na Caxemira – que está sob recolher obrigatório desde a madrugada de domingo, com milhares de militares indianos nas ruas, todas as comunicações com o exterior foram cortadas e onde centenas de políticos e activistas foram detidos, relata a BBC.

Num vídeo colocado no Twitter, a ONU reitera as preocupações já antes manifestadas com a situação de direitos humanos na Caxemira, mas diz que com a suspensão do artigo 370 da Constituição indiana, que garantia a autonomia do estado Jammu e Caxemira, “a situação foi exacerbada, chegou-se a um novo nível” de violações.