Falta de medicamentos nas farmácias afecta mais o interior do país

Estudo indica que distritos do interior do país são os que mais sofrem com a indisponibilidade para entrega imediata de medicamentos nas farmácias. Infarmed desdramatiza o problema e diz que em 2018 os portugueses consumiram mais quatro milhões de embalagens de medicamentos do que no ano anterior.

LinkedIn
Foto
Rui Gaudencio

falta de medicamentos nas farmácias atingiu um máximo histórico no primeiro semestre deste ano. E são justamente as regiões mais desertificadas e economicamente mais desfavorecidas do interior do país as mais afectadas por este problema. Beja é o distrito onde o impacto do problema é maior: 9,3% dos doentes deste distrito dizem já ter sido obrigados a interromper o tratamento devido à indisponibilidade dos medicamentos no momento em que os tentavam comprar nas farmácias, quase o dobro da média nacional (5,5%), revela uma sondagem efectuada pelo Centro de Estudos e Avaliação em Saúde (Cefar) da Associação Nacional de Farmácias (ANF).