China usa a divisa e nova escalada da guerra comercial parece inevitável

Bolsas registaram segundo dia de fortes perdas, com os investidores assustados com a perspectiva de um conflito comercial em larga escala, com consequências ainda mais fortes na economia.

Foto
Reuters/THOMAS PETER

Na sexta-feira, em resposta à subida de taxas de Trump, os responsáveis políticos chineses já tinham avisado que, mesmo não desejando uma guerra comercial, não tinham medo de participar numa. E, nesta segunda-feira, decidiram mostrar da forma mais clara possível que não estavam a fazer “bluff”. Pela primeira vez, Pequim decidiu retaliar com a arma mais poderosa que possui, a sua divisa, e criando nos mercados o receio de que o conflito possa a estar a entrar numa escalada já difícil de travar.