Trindade deve manter-se como estação de arranque e término da Linha do Aeroporto

Empresa deixou, este Verão, de garantir a ligação directa entre a Gare de Campanhã e o Aeroporto Sá Carneiro, por motivos operacionais. Há uma ou outra queixa, mas medida deverá ser mantida.

Foto
PAULO PIMENTA / PUBLICO

A entrada em vigor do horário de Verão do metro do Porto foi este ano acompanhada por uma alteração na linha do Aeroporto, a E, ou Violeta, que passou a arrancar e terminar na Trindade, e dessa forma deixou de fazer a ligação entre a estação ferroviária de Campanhã. O metro explica esta mudança com opções operacionais, admite ter recebido uma ou outra crítica por esta quebra na ligação directa aos comboios, mas também assume que, provavelmente, a situação vai ser mantida quando, a 8 de Setembro, for reactivado o horário de Inverno.

Os habitantes da região que optavam por recorrer à Linha do Minho, do Douro, ou aos suburbanos da CP e outros serviços na Linha do Norte, para apanharem um avião no aeroporto Sá Carneiro, e que, em Campanhã, faziam o transbordo para a rede de Metro, deixaram, há três semanas, de ter essa opção. Com o horário de Verão do metropolitano, essas pessoas estão obrigadas a apanhar, nessa estação intermodal, qualquer composição do metro que os levará até à Trindade, ou uma das estações mais a norte, onde é possível apanhar a Linha do Aeroporto.

Alguns utilizadores deste serviço já protestaram contra a alteração, no Facebook, mas fonte da empresa afirma que as queixas são estatisticamente pouco significativas. A linha E foi transferida, na estação, para o cais 3, e o encurtamento da viagem permitiu libertar para outras linhas algum material circulante, que com a pressão do aumento da procura se tornou uma questão “muito sensível”. Ao mesmo tempo, tendo em conta que a Trindade era já muito procurada por viajantes instalados no Porto, muitos deles carregados com malas, a separação destes dos restantes utilizadores da linha, melhorou a circulação de pessoas no cais 1, nota a mesma fonte.

Aumento de clientes é expressivo

O problema é que os portugueses e estrangeiros que circulam entre o aeroporto e outros destinos na região ficam agora sujeitos a dois transbordos. E fazer um deles na Trindade acaba por implicar o atravessamento da estação, pelo piso inferior ou pelo exterior. Por isso, a empresa recomenda até que quem venha de Campanhã ou de outros pontos a sul faça o transbordo para a Linha do Aeroporto na Casa da Música, por exemplo, onde se pode apanhar a ligação ao aeroporto já no mesmo cais de onde se sai do metro vindo da Trindade. Depois, é esperar até um máximo de 15 minutos, nos horários de maior procura, ou meia hora, nas pontas da manhã e da noite.

Sem novos veículos para fazer face ao aumento da procura - há 18 para encomendar, mas só chegarão a partir de 2021 - a Metro do Porto está a tentar fazer ajustamentos à oferta para responder pelo menos a algumas necessidades. Acompanhando o crescimento do turismo no Porto e na região, a linha do Aeroporto já vinha ganhando clientes, nos últimos anos, mas agora esse crescimento cifra-se nos 11%, se compararmos os primeiros sete meses do ano, e chega aos 20%, se compararmos os meses do Verão de 2019 com os do ano passado. Também as linhas Azul (Matosinhos) e Laranja (Gondomar), crescem na ordem dos 20%, e a Vermelha (Póvoa de Varzim), tem um acréscimo de validações na ordem dos 17%.