Meio ano de obras para criar ciclovia na Praça de Londres

A Av. Manuel da Maia vai ter menos uma faixa de circulação automóvel e aí nascerá outra ciclovia para ligar Praça de Londres à Av. da República.

Foto
Fotomontagem da ciclovia na Av. Manuel da Maia divulgada pela câmara DR

Arrancaram esta segunda-feira obras na Praça de Londres e na Avenida Manuel da Maia para alargar a rede de ciclovias de Lisboa. A câmara municipal, responsável pelos trabalhos, estima que estes durem meio ano.

Não se conhecem muitos detalhes da intervenção. A autarquia espalhou alguns folhetos e placas pelas redondezas nos quais se lêem as frases “mais segurança rodoviária”, “melhoria da acessibilidade e atravessamentos pedonais”, “pavimento confortável” e “expansão da ciclovia”. Nada mais para além disso.

O PÚBLICO questionou sobre este assunto uma fonte da vereação da Mobilidade, que remeteu um texto que mais tarde seria publicado no site da câmara. Embora não sejam adiantados pormenores técnicos, o texto dá conta de que a Av. Manuel da Maia vai ter menos uma faixa de circulação automóvel, passando de quatro para três, e que a ciclovia de dois sentidos que ali vai nascer ligará à já existente na Av. Rovisco Pais.

Foto
Fotomontagem da ciclovia na Praça de Londres divulgada pela câmara DR

Essa ciclovia, com início na esquina entre a Av. Guerra Junqueiro e a Praça de Londres, será contígua aos muros do Instituto Nacional de Estatística e passará depois em frente à entrada principal do Instituto Superior Técnico. Desta forma passará a ser possível circular de bicicleta entre a Praça de Londres e a Avenida da República sempre em ciclovia.

Na Praça de Londres a intervenção prevista é o prolongamento da ciclovia entre a Guerra Junqueiro e a esquina da Av. de Roma, numa extensão com pouco mais de 200 metros. Além disso, “a obra vai incidir sobre a melhoria da acessibilidade pedonal com a criação de uma área de pavimento confortável”, lê-se no texto da câmara. “O nó viário com a Av. de Paris será também requalificado.”

A meio de Junho, quando o PÚBLICO fez um ponto de situação sobre as ciclovias da cidade, a chefe da Divisão de Estudos e Planeamento da Mobilidade (DEPM) da câmara de Lisboa tinha já adiantado que a Praça de Londres seria a próxima a ter obras. Nesse texto, alguns utilizadores de bicicleta criticavam a falta de informação e debate público sobre as intervenções previstas – queixas que se voltaram a ler este fim-de-semana nas redes sociais, depois de a autarquia ter divulgado fotomontagens do projecto.

Concluída a obra neste local, a câmara vai virar-se para a Av. da Índia, entre Alcântara e Algés, num projecto que envolve ainda a Rua Fernão Mendes Pinto, em Pedrouços. Esta é, segundo a chefe da DEPM, uma intervenção complexa e ainda não há data para arrancar. O executivo de Fernando Medina quer chegar ao fim do mandato com 200 quilómetros de ciclovia na cidade.