Livro de Edward Snowden chega em meados de Setembro

O norte-americano é acusado de espionagem e apropriação de segredos do Estado por ter revelado a existência de um sistema de vigilância mundial de comunicações e de internet.

Foto
NUNO FERREIRA SANTOS

O analista de sistemas informáticos Edward Snowden, que denunciou a vigilância massiva nos EUA e foi acusado de espionagem, vai publicar as suas memórias em 17 de Setembro, simultaneamente em 20 países, anunciou o seu editor francês.

A obra original intitulada Permanent record, totalmente escrita por Snowden, será publicada pela Metropolitan Books (Macmillan), nos Estados Unidos, em 17 de setembro.

Em Portugal, a publicação é garantida na mesma data pela Editorial Planeta, com o título “Vigilância Massiva, Registo Permanente”, anunciou hoje esta editora.

A versão francesa Mémoire vive surgirá nas edições du Seuil. A obra será editada ainda no Reino Unido, na Alemanha, em Itália, Espanha, Brasil, Israel e Taiwan, entre outros países.

“Em Vigilância Massiva, Registo Permanente, Edward Snowden desvenda, pela primeira vez, (...) como ajudou a construir o sistema de vigilância massiva e a crise de consciência que o levou a contar tudo e a pôr em xeque todo o sistema”, escreve a Editorial Planeta, no comunicado hoje divulgado.

“Em consequência deste acto — prossegue a editora portuguesa iniciou-se uma caça e captura internacional que ainda hoje se mantém”.

Na capa francesa deste livro-testemunho surge a cara juvenil de Edward Snowden, funcionário da Agência de Segurança Nacional (NSA), acusado de alta traição pelos Estados Unidos e exilado na Rússia desde 2013, após ter divulgado detalhes de vários programas que constituem o sistema de vigilância global da NSA.

“Edward J. Snowden decidiu aos 29 anos sacrificar o seu futuro pessoal para o bem do seu país”, declarou John Sargent, presidente do Macmillan USA, citado pelo comunicado da editora du Seuil.

“Demonstrou assim uma imensa coragem, e, quer se queira ou não, é uma fabulosa história americana. Não há dúvida que o mundo está mais seguro e cuidadoso devido ao que fez”, prosseguiu.

Em 2013, Edward Snowden revelou a existência de um sistema de vigilância mundial de comunicações e de internet. Os Estados Unidos acusaram-no de espionagem e apropriação de segredos do Estado.

O realizador norte-americano Oliver Stone dirigiu um filme em 2016 sobre a sua vida, com Joseph Gordon-Levitt no papel de protagonista. Snowden também surge em “Citizenfour”, o premiado documentário de Laura Poitras.

Sugerir correcção