Carros a gás natural comprimido – uma alternativa viável?

O SEAT Arona é um dos quatro modelos propulsionados a gás natural comprimido que a SEAT vende em Portugal, onde outras marcas também arriscam este investimento. Porém falta o essencial: uma rede de postos de abastecimento.

Em Portugal, apesar do seu número residual, as viaturas a GNC já têm vários benefícios fiscais
Fotogaleria
Em Portugal, apesar do seu número residual, as viaturas a GNC já têm vários benefícios fiscais DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR
,ASSENTO MII
Fotogaleria
DR
,Veículo utilitário esportivo
Fotogaleria
DR
,ASSENTO Ibiza
Fotogaleria
DR
,SEAT León
Fotogaleria
DR
,Carro
Fotogaleria
DR

O que leva a SEAT a comercializar viaturas que usam gás natural comprimido (GNC), quando a rede de abastecimento em Portugal é praticamente inexistente? E porque é que outras marcas também têm à venda veículos a GNC? O que à primeira vista parece absurdo tem uma explicação lógica: o GNC é o menos poluente e mais económico de todos os combustíveis fósseis e também pode ser obtido de fontes renováveis (metano emitido por lixeiras, explorações pecuárias, etc.), o chamado biogás.

Por isso mesmo, a UE vê os veículos a GNC como uma alternativa viável aos veículos eléctricos e através de normas e recomendações está a tentar incentivar a sua difusão. Em Portugal, apesar do seu número residual, as viaturas a GNC já têm vários benefícios fiscais: redução na Tributação Autónoma para 7,5%, 15% e 27,5% nos três escalões, redução do Imposto sobre Veículos para 40%, dedução de 50% no IVA pago pelas empresas na aquisição destas viaturas até 37.500€ e 50% no IVA destes combustíveis.

Ainda assim, no ano passado só foram vendidos 20 veículos deste tipo por só haver menos de uma dúzia de postos em todo o país. Em Espanha, há quatro anos, a situação era semelhante à de hoje em Portugal; actualmente já existem 68 postos de GNC/GNL espalhados pelo país, que serão 300 a 400 num prazo de cinco anos.

Ao incluir os veículos a gás natural no seu catálogo em Portugal, a SEAT e outras marcas dão o pontapé de saída para “obrigar” à criação de uma rede alargada de GNC que, num futuro próximo, cubra todo o país. Há negociações com distribuidoras como a Dourogás e a Galp para o estabelecimento de mais postos de gás natural comprimido em simultâneo com gás natural liquefeito (GNL, destinado a veículos pesados). 

Gasolina ou GNC?

Quais as diferenças entre um Arona a gasolina e um a gás natural comprimido (GNC)? Com isto em mente, iniciámos o teste. E, exactamente com o mesmo motor 1.0 tricilíndrico, concluímos que a versão a gasolina é mais potente (95cv para 90cv), mais célere (11,6s de 0+100km/h para 13,2s) e mais barata cerca de mil euros na versão mais básica. Porém, nos consumos convertidos em euros a versão GNC ganha por goleada: o gasolina reclama gastar 5,7 l/100km (cerca de nove euros), enquanto a versão a GNC gasta 4,2 kg/100km (menos de cinco euros).

Para os mesmos 100km, um veículo a GPL similar ao Arona GNC consome pouco mais de 5€ em combustível. Porém, o GPL, ao contrário do GNC, será sempre um combustível fóssil derivado do petróleo, mais poluente e mais inflamável. Daí a aposta das entidades europeias no GNC em detrimento do GPL. A grande e única vantagem do GPL é a existência de uma rede de postos que cobre todo o país (como é um derivado da refinação da gasolina e do gasóleo, houve necessidade de criar condições para o seu escoamento e utilização). 

GNC versus electricidade

A superioridade do GNC face aos combustíveis fósseis já foi explicada. Mas e em comparação com os veículos eléctricos (VE)? Em termos de utilização, as viaturas eléctricas são menos poluentes. As emissões médias de CO2 de um VE, “do poço à roda” (isto é, considerando a fonte de produção de energia e o consumo), são 60 g/km face aos 103 g/km de um veículo a GNC (se forem de origem 100% renovável, as emissões de um VE serão 0% e de uma viatura a GNC, 24%). Porém, os veículos eléctricos apresentam um problema ambiental adicional que ainda não foi resolvido: a reciclagem das baterias em fim de vida útil.

Os custos de utilização de um VE são menores (entre 1€ a 1,5€ por 100km) que os de um carro a GNC (4,3€ a 4,8€/100km), mas o custo de aquisição de um VE é muito superior – um Renault Zoe com 95cv tem um preço de 28.000€ com aluguer de bateria (desde 69€/mês) ou 35.000€ na compra integral. 

Já nas contas relativamente à manutenção, os automóveis a GNC ficam em desvantagem face a qualquer eléctrico, com um número menor de componentes e de desgaste. 

Depois, há a questão da autonomia. Os veículos eléctricos registam assinaláveis progressos e este Zoe consegue percorrer mais de 300km, mas depois tem de parar para recarregar. O SEAT Arona tem cerca de 350km de autonomia, mas se se acabar o gás tem um depósito de 9 litros de gasolina que, em caso de emergência, lhe permite fazer mais 150km – é um veículo híbrido, embora o seu funcionamento normal seja sempre a GNC (a SEAT recomenda deixar esgotar o gás e utilizar a gasolina de 6 em 6 meses para evitar que esta se degrade). Aliás, o facto de só ter um depósito de 9 litros é por motivos fiscais e na ficha técnica só é fornecido o consumo de GNC.

Impressões de condução

Como é conduzir este SEAT Arona a GNC? Face ao “irmão” a gasolina as diferenças são imperceptíveis. Nota-se um certo défice de potência nas recuperações e acelerações (a variante de 115cv a gasolina despacha-se melhor). Já quanto à manobrabilidade, estabilidade, conforto, facilidades de condução e de estacionamento, as impressões foram muito positivas. Acresce que o veículo que nos foi disponibilizado estava bem equipado: vinha com o nível superior de equipamento, FR, a que se somavam alguns opcionais auxiliares de condução e de conforto e vida a bordo. Em cerca de 200 quilómetros num percurso variado, com auto-estrada, estrada normal e condução em cidade, fizemos uma média de 4,0 kg/100km. Com um preço de 1,15€/kg, citando o actual secretário-geral da ONU, “é só fazer as contas” – dá para ir de Lisboa a Faro por menos de 12 euros…