Lisboa

Vamos poder visitar as Galerias Romanas da Baixa o ano inteiro

Câmara de Lisboa confirma para “finais de 2020” a abertura do monumento que até agora só podia abrir duas vezes por ano.

Fotogaleria
Patrícia Martins
Fotogaleria
Patrícia Martins
Fotogaleria
Patrícia Martins
Fotogaleria
Patrícia Martins
Fotogaleria
Patrícia Martins
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Já é uma tradição lisboeta: duas vezes por ano abrem as Galerias Romanas da Rua da Prata e há correria às reservas, sendo que há sempre quem fique de fora sem conseguir visitá-las porque as reservas esgotam rapidamente. A partir de finais de 2020 a situação vai mudar: a Câmara Municipal de Lisboa (CML) confirmou para esta altura a abertura continuada do monumento e do centro interpretativo.

A musealização do criptopórtico já tinha sido destacada pela autarquia em Abril, integrada no projecto Lisboa Romana Felicitas Iulia Olisipo, dedicado a dar a conhecer “a forma como viviam os romanos na Área Metropolitana de Lisboa” e que abrange 21 municípios. 

Este domingo, a CML lembrou no Facebook que "se sempre quis visitar as Galerias Romanas e nunca o conseguiu fazer”, “saiba que está a ser criado um centro interpretativo com entrada acessível a todos pela Rua da Prata”. A autarquia destacava ainda que “o Criptopórtico Romano de Lisboa vai poder ser desfrutado sem filas, nem dias contados”, avançando a abertura para “finais de 2020”.

Até agora, a romaria até ao alçapão aberto na rua da Conceição, uma entrada para a história da Lisboa romana, ocorria em finais de Março e de Setembro, com reservas prévias para cerca de 3 mil visitantes. As galerias foram descobertas “graças” ao terramoto de 1755. Os trabalhos nas ruínas revelaram-nas em 1771. 

A próxima abertura deverá ocorrer entre 27 e 29 de Setembro, os dias em que se celebram as Jornadas Europeias do Património, mas as reservas ainda não abriram.