Costa alerta para “sentimento nacional de revolta” face à greve dos motoristas

Primeiro-ministro apela a novo “esforço negocial” entre motoristas e patrões na segunda-feira para evitar a greve marcada para 12 de Agosto.

António Costa
Foto
LUSA/ANTÓNIO COTRIM

O primeiro-ministro, António Costa, apelou esta sexta-feira a um entendimento entre patrões e motoristas de matérias perigosas que evite a greve marcada para 12 de Agosto, sublinhando a “incompreensão” dos portugueses perante a ameaça de um novo protesto que está a gerar um alarme geral nas empresas.

“Há um claro sentimento nacional de revolta e de incompreensão perante uma greve que é marcada para o meio de Agosto, quando já estão acordados aumentos salariais de 250 euros para Janeiro de 2020 e o que está em causa são os aumentos salariais de 2021 e 2022”, disse Costa à saída da reunião semanal com o Presidente da República, que esta sexta-feira decorreu em Loulé, no Algarve.

O chefe do executivo considerou que a reunião entre motoristas e patrões que está marcada para segunda-feira é a “última oportunidade para que haja uma solução acordada”, e apelou a um novo “esforço negocial”.

Caso o impasse se mantenha, diz Costa, “o Governo está preparado para minorar tanto quanto quando possível os efeitos de uma eventual greve que é indesejável”, prometendo adoptar “todas as medidas até ao limite do que a lei e a Constituição” permitem para “para minorar os impactos na vida dos portugueses”.

Uma luta por um salário a pagar em 2022

No centro do braço-de-ferro entre os motoristas de transporte de matérias perigosas e os patrões do sector está a exigência, da parte dos trabalhadores, de um salário-base de 900 euros em 2022. Actualmente, o vencimento-base é de 630 euros, e o valor será actualizado para 700 euros em 2020. Mas não há garantias relativamente a daqui a três anos.

O advogado do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, disse ter pedido para segunda-feira “uma nova reunião ao Ministério das Infra-estruturas para tentar um acordo e assim evitar a greve. A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), por seu turno, diz estar apenas marcada uma reunião entre esta organização patronal, a Fectrans e o Governo, sem a presença do sindicato dos motoristas. O diferendo sobre o formato do encontro vem assim reduzir expectativas em relação a um acordo, apesar de ambas as partes em conflito continuarem a afirmar publicamente a sua disponibilidade para negociar.

A ameaça de um novo protesto por tempo indeterminado que poderá paralisar infra-estruturas e sectores-chave da economia em pleno Verão está a alarmar diversas empresas e entidades. A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) teme um “efeito em cascata” no turismo, enquanto a Confederação Nacional da Agricultura alerta para a destruição de colheitas, caso falte o gasóleo verde. A Associação de Empresas de Distribuição, por seu turno, apela à fixação urgente de serviços mínimos para garantir produtos nas prateleiras dos supermercados, enquanto a indústria farmacêutica, através da Apifarma, recomenda especial atenção à distribuição de medicamentos.

“Emagreceu imenso!”

A greve dos motoristas foi um dos temas da reunião semanal do primeiro-ministro com o Presidente da República, que esta semana decorreu em Loulé. Marcelo Rebelo de Sousa recebeu António Costa na alcaidaria do castelo de Loulé, saudando-o com grande informalidade: “Mas emagreceu imenso nas férias!”

O primeiro-ministro aproveitou o ambiente descontraído para recordar uma divergência política com Marcelo. Dirigindo-se a Adriano Pimpão, presidente da Assembleia Municipal de Loulé mas também membro da Comissão Independente para a Descentralização, perguntou-lhe: “Já convenceu aqui o senhor Presidente para a reorganização territorial do país?” António Costa referia-se à regionalização, cuja instituição é defendida, com um plano de acção, no relatório final que a CID, presidida por João Cravinho, entregou esta semana ao presidente da Assembleia da Republica e ao Presidente da República.

A CID sugere que se faça novo referendo sobre a regionalização em 2021, em simultâneo com as eleições autárquicas. Marcelo não gosta mais da regionalização do que Costa aprecia a greve dos motoristas.

Sugerir correcção