Adriano Miranda
Foto
Adriano Miranda

Estudantes do Brasil e Médio Oriente procuram alojamento de luxo no Porto

A 14 de Setembro vai ser inaugurada uma nova residência de luxo no Campus Universitário da Asprela, no Porto.

A insuficiente oferta pública de alojamento para universitários no Porto levou os privados a investir em alojamento de luxo e os principais interessados são estudantes internacionais do Brasil e Médio Oriente, revelou esta quinta-feira, 1 de Agosto, a Federação Académica do Porto (FAP).

A Residência Livensa Living Porto, do grupo Temprano Capital Partners, vai ser inaugurada a 14 de Setembro no Campus Universitário da Asprela, e vai ter uma capacidade para albergar 580 pessoas, num edifício de duas alas, numa área de 20 mil metros quadrados. Segundo disse à Lusa Victoria San Martin, responsável pela empresa em Portugal, a infra-estrutura oferece aos residentes um espaço central de jardins, piscina aquecida, zona exterior, ginásio com acesso a espaço exterior para prática de ioga, estúdios individuais e duplos que incluem cozinha completa, casa de banho privada e “as mais recentes inovações tecnológicas”. São 140 quartos partilhados a partir de 100 euros/semana por pessoa, o que dá aproximadamente 440 euros/mês. Estes valores são válidos para contratos mínimos de um ano lectivo, o equivalente a 44 semanas.

O empreendimento, considerado de luxo, vai ter também estúdios individuais a partir 158 euros por semana, no valor de 695/mês. Nas áreas sociais, os residentes vão ter acesso também a salas de cinema e multimédia, zonas de descanso e para jogos, salas de estudo, salas de jantar privadas para grupos, biblioteca e lavandaria. O grupo Temprano Capital Partners vai também abrir, no ano lectivo 2020-2021, uma nova residência na Boavista, que vai ter capacidade para 330 quartos.

“A oferta de alojamento estudantil premium não é para a maioria das famílias portuguesas (...). É, principalmente, para estudantes internacionais”, conta o presidente da FAP, João Pedro Videira, referindo que há muita procura do Brasil e do Médio Oriente. “Estudantes do Dubai, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, mas sobretudo estudantes brasileiros, porque não têm dificuldade com a língua e está a ser uma grande aposta das instituições do ensino superior”, exemplificou.

Já a U-World, empresa portuguesa que concebe, promove e gere residências universitárias, avançou à Lusa que vai abrir em Setembro de 2022 um equipamento imobiliário no “perímetro do pólo da Asprela”, junto à Escola Superior de Educação, com capacidade para “700 camas” e destinada a “toda a comunidade académica”, designadamente a “estudantes, professores e investigadores universitários”. Paulo Ribeiro, da U-World, revelou que “15% a 20% das camas” do novo empreendimento estudantil vão ser reservados para alunos “abrangidos pela acção social”. A nova infra-estrutura vai ter um investimento na ordem dos “30 a 35 milhões de euros” e uma área de “15 mil metros quadrados”. Os alojamentos vão custar uma média de 350 euros/mês, valor que inclui, além do quarto com Internet wi-fi e ar condicionado, a limpeza semanal e troca de roupa de cama, acesso ao ginásio e sala de refeições.

O presidente da FAP avançou ainda que vai nascer, no local da antiga fábrica do Amial, na rua do Amial, um projecto com capacidade para “mil estudantes” e onde se estima um investimento de cerca de “100 milhões de euros, dos Emirados Árabes Unidos”.