Opinião

Mudam-se os tempos, “mantêm-se” as vontades

Mudaram-se “alguns” nomes, criaram-se gabinetes de especialistas, propuseram-se medidas e reformas, mas o tempo passa e não se perspetiva renovação e mudança.

Luis Vaz de Camões (1524-1579) era um progressista, consciente que as sociedades precisam de mudança para evoluir; contrário à personagem do Quixote, que ambicionava o passado, Camões almejava o futuro. De verso fácil e crítica aguda, o poeta quinhentista percebeu, desde cedo, o medo “do português” e a sua a vontade (ou defesa) de deixar tudo na mesma, um atavismo que perdura no nosso país. Tomemos os museus como exemplo…

Os tempos…

Foi notícia há uns meses uma crónica no jornal El País que “arrasava” com os museus da capital, o título era claro: Los turistas llenan Lisboa, pero huyen de sus museos, ou seja, Lisboa está cheia de turistas mas estes não se interessam minimamente pelos seus museus, concluindo que estes não estão a ser bem dirigidos e trabalhados. O artigo é perspicaz e atento, percebe-se perfeitamente que Rosa Cullel e Javier Martín del Barrio levam já alguns anos no país e leem as notícias dos jornais nacionais. No entanto, o modo direcionado da crítica parece-nos estranho, criticando especialmente os museus tutelados pela Direção-Geral do Património – “(…) la DGPC, afortunadamente, no dirige todos los museos del país" – e ilibando outros com a Gulbenkian ou a Coleção Berardo. Nota-se também o cuidado que tiveram em “marcar” um determinado museu nacional e a sua diretora, aproveitando uma frase infeliz da mesma que tentava explicar a queda de visitantes, para ironizar ainda mais com uma suposta incompetência da DGPC para gerir museus: “Como las desgracias nunca vienen solas, su directora, culpa del fracaso a la falta de aparcamiento, como si alguno lo tuviera”.

Em data próxima ao texto do El País foi publicada uma crónica de João Miguel Tavares também ela “durinha” em relação à Cultura. O cronista portalegrense classifica como miserável o estado da Cultura em Portugal, segundo o próprio este estado deve-se à falta de autonomia das instituições que são tuteladas pelo ministério, justificando com este facto a catadupa de demissões nas várias áreas culturais, onde inclui os museus. Não obstante, e centrando-me nestes últimos, parece-me que para haver autonomia é preciso dinheiro: há dinheiro para os museus? Para aumentar o número de visitantes é necessário também criar as condições para os receber (acessos, funcionários, etc.), há capacidade e vontade para o fazer? Políticas à parte e sem querer entrar em considerações profundas sobre as políticas de esquerda ou de direita para a Cultura que o autor pretende esmiuçar, creio que o problema se resume a um certo elitismo (ora de classe, outras vezes de poder) que perdura independentemente da cor partidária: a Cultura no nosso país tem tendência a ser um espaço de pouco diálogo e muito autoritarismo. Assim, mais do que nunca, aplica-se a célebre frase de Victor Hugo no seu livro Os Miseráveis: “(…) não basta apenas protestar: após a filosofia, a ação é indispensável.”. Passamos assim para as vontades…

As vontades…

A noção de museu como espaço civilizador frequentado pelas elites cultas manteve-se desde os seus inícios (em finais do século XVIII) até praticamente aos anos 50 do século passado. Foi sobretudo a partir desta década que Henri Rivière e Hughes de Varine, no seio do recentemente criado International Council of Museums (ICOM), começaram a criticar a postura dos museus, defendendo a sua abertura à sociedade. Trata-se do primeiro embrião daquela que viria a ser denominada nova museologia, cujos ideais se inseriam também nos novos conceitos de transformação filosófica e política da sociedade ocidental (anos 60 e 70). Varine (o pai da ecomuseologia) viria a defender em 1971 que o “novo” Museu deveria estar integrado no seu entorno, “(…)aproximar-se da comunidade e não permanecer como um claustro sem ligação com o que o rodeia”. Quase paralelamente, em 1972, em Santiago do Chile, ocorria a famosa Mesa Redonda de Santiago, amplamente citada, mas pouco estudada. Enquadrada pela UNESCO, viria a ser um ponto de viragem na museologia e primeiro passo no sentido de tornar o museu um espaço vivo, seguindo as palavras de Mário Terruggi, que muito bem resumiu a reunião: “(…) o museu deve assumir um papel no desenvolvimento, a intenção é simplesmente inverter o sentido do vetor temporal, cujo ponto de partida se situa em algum momento do passado, mas cuja extremidade, a ‘ponta da seta’, chega ao presente e até mesmo o ultrapassa na direção do futuro”, em resumo é isso que se pretende agora fazer no Museu de Arte Popular, torná-lo um espaço que sirva de desenvolvimento das comunidades e que permita fazer uma ligação “harmoniosa” entre o passado, as tradições e o presente, a pensar no futuro. A ideia e o conceito são bons, a sua aplicação prática seria excelente, no entanto, nunca é um bom começo usar ideias alheias sem que estas sejam devidamente citadas ou (re)consultadas: as originais (estrangeiras) e as que refletem sobre o contexto particular do nosso país (as nacionais).

Noutro contexto de vontades assistimos também ao fim de um ciclo no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA). Apreciando-se ou não o estilo, é inegável que o anterior diretor (António Filipe Pimentel) conseguiu colocar o MNAA novamente no mapa. Mesmo não concordando com algumas das suas ideias tornadas públicas para os museus nacionais, deve ser reconhecida a sua capacidade de trabalho, dinamismo pragmático e a sua inteligência dialética, capaz de conceber para o MNAA uma direção dual, com um diretor para o exterior e outro para o interior (há tanto para fazer num museu além do produto final que é a exposição). Creio, inclusivamente, que este modelo de êxito, aplicado por Pimentel, deveria ser reproduzido noutros museus nacionais, pois resolveria, certamente, muitos dos problemas da burocracia estruturante. Já é um bom sinal saber que pelo menos este modelo é (aparentemente) para manter no MNAA.

Todo o mundo é composto de mudança…

Mudaram-se “alguns” nomes, criaram-se gabinetes de especialistas, propuseram-se medidas e reformas, mas o tempo passa e não se perspetiva renovação e mudança. Os museus nacionais continuam com graves problemas de pessoal e parcas condições de trabalho; os concursos para novos diretores, tardam em avançar”; a coleção Berardo tornou-se um fardo; os colecionadores e antiquários, atentos às debilidades dos museus, vão gradualmente ganhando influência sobre os mesmos; a Gulbenkian outrora (anos 70 a 90) “o modelo” para os museus nacionais, vai vivendo da inspiração de Mariano Piçarra; nas universidades o ensino da museologia ficou-se pelos dicionários e sínteses autorais, enfim, tempos difíceis para quem se interessa e preocupa com o Museu. Apesar de tudo, tal como na natureza, mesmo em terrenos presumivelmente estéreis encontramos sinais de vida. Vão assim, florescendo iniciativas como a Summer School do Instituto de História Contemporânea (IHC), em Évora, no mês de Setembro, sobre museus e património, no qual uma nova geração empenhada terá uma palavra a dizer, o mesmo parece estar a acontecer em Sintra onde a Parques de Sintra-Monte da Lua tem conseguido renovar e requalificar os seus quadros: um primeiro passo para a mudança. Em Lisboa, a EGEAC vai conseguindo também lançar algumas raízes, sobretudo através da inteligente programação do Padrão dos Descobrimentos que vai atuando, para os museus, como uma espécie de aldeia gaulesa que resiste, neste caso, sem a necessidade de uma poção mágica.