CGD avisou Governo em 2016 que protocolo com Berardo fragilizava banco

O protocolo fechado pelo Governo de António Costa com o investidor fez soar os alarmes na Caixa, que escreveu às Finanças a lamentar que os credores não tivessem sido consultados, avisando que ia ter de reconhecer perdas.

Foto
Jornal Publico

No final de 2016, após ter tomado conhecimento através da comunicação social de que o Governo chefiado por António Costa e o investidor José Berardo tinham chegado a acordo sobre a continuidade da colecção de obras de arte no Centro Cultural de Belém, com renovações automáticas a partir de 2022, a CGD escreveu à tutela para a alertar para as implicações que a decisão ia ter na relação comercial com o cliente. Isto, tendo em conta que o Governo prorrogou prazos e alterou clausulados do protocolo, sem consultar os credores, sendo um dos maiores o banco público, cujas garantias entregues pelo devedor assentavam (e assentam) sobre a Associação Colecção Berardo (ACB), o alvo da renegociação.