A ilha Terceira é sempre uma festa – e no Verão ainda mais

Festas, bailes e, inevitavelmente, touradas à corda. Paulo Pimenta passeou pelos festejos e mostra-nos o que viu.

Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Quem nunca ouviu dizer que os Açores têm oito ilhas e um parque de diversões, que atire o primeiro foguete. A Terceira é sempre uma festa, mas no Verão nem se fala. Não há fim-de-semana – ou segunda, terça, quarta, quinta – sem que haja um arraial, um bailinho, uma tourada à corda.

As touradas são uma coisa muito séria na ilha e movimentam milhões de euros. Entre Maio e Outubro, os meses em que estão autorizadas, pode haver mais de 300, em várias freguesias em simultâneo – uma tradição com quatro séculos, com os seus opositores e os seus defensores (que até pretendem torná-la Património Cultural).  Os touros são preparados no “tentadero” e o convívio começa aí, entre frangos a assar na brasa e minis fresquinhas. São depois lançados às ruas, presos por uma corda, e durante 15 minutos são desafiados. Aliás, os vídeos com aqueles que são considerados os melhores momentos das touradas são um best seller na Terceira e passam continuamente em muitos locais.

Depois dos touros, vêm os bailes. Música ligeira, música pimba, electrónica, pop e rock e o que mais apetecer, até ao sol raiar, como aconteceu no último fim-de-semana, na vila de São Sebastião. Garantem-nos que há quem saia da festa e vá tomar banho ao mar – mas não estávamos lá para ver. Dos fracos não reza a história.

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Sugerir correcção