Crítica

Regresso a Reims não perdeu nada da sua força

Ensaio sociológico. Um mergulho perturbador e edificante na classe social dos trabalhadores. Apesar de existir em França um Estado-providência teoricamente encarregado de auxiliar os mais pobres, a classe trabalhadora mais não faz do que se manter sob o jugo das elites que não conseguem integrá-la minimamente, e alimenta ela mesma uma fatalidade, avança Didier Eribon, a que se chama “dominação social”.

,Didier Eribon
Foto

Quando Didier Eribon recorda os seus tempos de adolescente, Reims surge-lhe como “a cidade do insulto”. “Quantas vezes não me chamaram aí ‘panasca’ e outros nomes equivalentes? Não sei dizê‑lo”, confessa no capítulo V, pouco antes do epílogo, do seu livro Regresso a Reims [Retour à Reims no original], publicado em França em 2009 e que agora chega a Portugal. Uma constatação prosaica, lapidar, cortante. É a sua homossexualidade que, assegura-nos ele, terá sido o motor da sua fuga, da sua emancipação para muito longe do seu meio de origem, operário, pobre, inculto. A sua reinvenção apenas será escrita após ter cortado as ligações com a sua família e conhecidos, os ter apagado da sua vida, durante 35 anos, até por fim não conseguir reconhecer os seus irmãos se se cruzasse com eles na rua.