Crítica

Fogo-de-vista

É uma boa ideia juntar dois heróis dos multiplexes de bairro num aspirante a Missão: Impossível. Em vez disso, temos um disparate pegado.

Se fosse nos tempos de Schwarzenegger e Stallone...
Foto
Se fosse nos tempos de Schwarzenegger e Stallone...

Há uma boa ideia a reter deste spin-off de Velocidade Furiosa, que autonomiza duas personagens reveladas nos quinto e sexto episódios da popular série de aventuras: juntar Dwayne Johnson e Jason Statham, actores de reconhecido apelo popular e o mais próximo que estamos dos heróis musculados dos anos 80 e 90. A dupla faz, de facto, faísca: Johnson e Statham têm uma química masculina à moda antiga que funciona bem, sobretudo na combinação de pancada de criar bicho e humor de caserna (às tantas, lembrámo-nos das cenas de pancadaria entre John Wayne e Lee Marvin na Taberna do Irlandês, de Ford). Mas, depois, entrega-se essa ideia às mãos do ex-duplo David Leitch (Atomic Blonde – Agente Especial) e o resultado é um desastre.