No Redondo a união faz as Ruas Floridas

A chuva ameaçou as Ruas Floridas mas a vila uniu-se para salvar a festa e as “flores”. Até 4 de Agosto, há mil e uma decorações de papel, concertos e petiscos. O Redondo espera meio milhão de visitantes.

Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Desenho floral
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Desenho floral
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo
Fotogaleria
DR/CM Redondo

Do chão às fachadas, com direito a tectos de papel sobre as ruas, arcos com botões de pétalas coloridas, animais da selva, seres alados e porquinhos mealheiros.

A chuva cancelou a festa de inauguração, agendada para 27 de Julho, e obrigou à recolha de parte das intricadas peças para salvaguardá-las dos aguaceiros. Mas tudo foi reposto esta segunda-feira e até 4 de Agosto, as Ruas Floridas trazem decorações a preceito a esta vila do Alentejo.

São 28 as ruas engalanadas, cerca de 30 mil metros quadrados de área, com motivos de papel criados com minúcia pela população local, à medida da imaginação de cada um e segundo os temas definidos pela vizinhança (entre eles, A Casa do Mickey, Abelha Maia, O Amor em Flor, A Selva Animada, o filme Coco da Disney e o Día de Los Muertos, O Jardim das Fadas e Templo Chinês).

De dois em dois anos, milhares de flores feitas de papel colorido enfeitam as ruas da vila. A tradição, que remonta ao século XIX e inicialmente fazia parte das festas dedicadas à Nossa Senhora de ao Pé da Cruz, ganhou, entretanto, uma identidade própria, construída pelas mãos da comunidade e independente da celebração religiosa.

PÚBLICO -
DR/CMR
PÚBLICO -
DR/CMR
Fotogaleria
DR/CMR

“Há pessoas que estão desde Setembro e outras desde Outubro do ano passado a trabalhar nas ornamentações”, observou o presidente da autarquia de Redondo, António Recto, citado pela agência Lusa, indicando que o município investe entre 200 a 300 mil euros nas festas deste ano. De acordo com o autarca, são esperados “mais de 500 mil visitantes”, número semelhante à edição anterior.

A ornamentação das ruas envolve “um trabalho voluntário de criatividade e imaginação que ocupa entre 400 e 500 pessoas”, além de “toneladas de papel” e outros materiais que a autarquia adquire. Cada rua apresenta um tema diferente, escolhido livremente pelos moradores, que o mantêm em segredo até ao dia da saída do programa.

A tradição foi retomada há 26 anos, após muitos anos sem o evento, que remonta pelo menos a 1838, ano em que há os registos escritos mais antigos.

O programa dos festejos inclui espectáculos musicais: Toy (1 de Agosto), encontros de bandas filarmónicas, festival de folclore, fado, cante alentejano e actuação de DJ. Entre outros, estará também em grande destaque a gastronomia, mostras de artesanato e de produtos regionais.